Blatter quer abertura da Copa no Rio e contraria CBF

Depois de meses de uma verdadeira guerra em torno da viabilização financeira da Arena do Corinthians em Itaquera, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, colocou lenha na fogueira ao declarar à Agência Estado que quer a abertura da Copa de 2014 no Maracanã e não em São Paulo.

JAMIL CHADE, Agência Estado

28 de agosto de 2011 | 11h11

"Já demos o centro de Mídia para o Rio, e a sede da organização da Fifa será no Rio. Portanto, a cidade mais adequada para receber a abertura é mesmo o Rio de Janeiro. O futebol brasileiro é o Rio. E, para o mundo, o Rio é a cidade mais atraente para abrir uma Copa, sem dúvida", declarou o dirigente.

Para Blatter, as brigas políticas internas no Brasil têm prejudicado a definição dos estádios do Mundial. "O principal obstáculo para a organização da Copa no Brasil tem sido as brigas políticas entre prefeitos, governadores e governo federal. Isso pode de fato atrapalhar muita coisa. O Brasil sediará uma ótima Copa. Mas tem de resolver essa briga política".

O cartola máximo do esporte criticou também o atual futebol do país pentacampeão mundial e tem dúvida se o Brasil conseguirá montar uma seleção suficientemente forte para ganhar a Copa de 2014 em casa.

"O Brasil tem um novo técnico, mas já há muitas criticas. Ricardo Teixeira disse que não mudará o plano, mas a verdade é que se não houver resultados terá de pensar. O Brasil não terá mais jogos oficiais, apenas brincadeiras. Não há mais nenhuma pressão de competição até a Copa das Confederações. Então nunca sabe em que pé a seleção estará", alertou.

Na avaliação do dirigente, o Brasil terá mais facilidade em organizar a Copa do Mundo do que em vencê-la. "Não é tão fácil organizar esse evento, nem para o Brasil. Mas, olha, tenho certeza de que o Brasil vai realizar uma ótima Copa. Só não tenho tanta certeza de que terá o melhor time", opinou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa de 2014Joseph Blatter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.