Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Blatter reclama do pouco caso de Dilma

Fifa não recebe resposta da carta em que cobra a presidente por faltar à final das Confederações

JAMIL CHADE, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2013 | 08h00

OBERGESTELN (SUÍÇA) - A Fifa não engoliu a ausência da presidente Dilma Rousseff na final da Copa das Confederações e mandou carta ao Palácio do Planalto para se queixar. Mas, quase dois meses depois do evento, nem sequer recebeu uma resposta de Dilma. A informação é do presidente da entidade, Joseph Blatter, que assinou a carta e agora revela o mal-estar.

Ele recebeu o Estado em sua região natal, o cantão do Valais, em montanhas decoradas por chalés, vacas e um atmosfera longe do ritmo frenético do mundo do futebol. Sem sua inseparável gravata, Blatter concedeu sua primeira entrevista a um meio de comunicação do Brasil desde o fim da conturbada Copa das Confederações, quando deixou o País diante dos protestos.

Blatter não escondeu a insatisfação com a ausência de Dilma na final com a Espanha. A presidente havia sido vaiada na abertura e optou por não enfrentar o público. Mas, para a Fifa, a atitude foi de desrespeito e, segundo fontes dentro do próprio governo, revela mal-estar que vai bem além da vaia no estádio. Eis os principais trechos da entrevista.

RELAÇÃO COM DILMA

"Escute. Eu escrevi a ela depois da Copa das Confederações. Na carta, expressei que estávamos insatisfeitos com o fato de que ela não esteve na final. Eu tinha que dizer isso a ela. Mas não recebi nenhuma resposta."

DESAFIO ATÉ COPA

"Temos que entender algo. Quando tivemos a Copa das Confederações com os distúrbios sociais, mas com muito bom futebol, tivemos vozes pelo mundo dizendo que, no ano que vem, será um problema para o Brasil porque ninguém irá querer ir ao país. As coisas não estarão funcionando e existem protestos. Portanto, será uma Copa com problemas. Mas aí começamos a venda de ingressos e isso tudo é uma grande besteira. Essa é a Copa do Mundo. Todos querem ir à Copa e porque o futebol é o esporte mais popular do planeta. Em segundo lugar, é a Copa do Mundo no Brasil, o país do futebol. As pessoas querem estar lá. É a confirmação da popularidade do Brasil, do futebol. Mas é também um recado de confiança para a organização. E não estou falando na organização do futebol, mas na organização política. É um apelo muito claro: estamos chegando, mas garanta que a Copa seja um sucesso. Mas estou certo de que o Brasil vai cumprir."

INFRAESTRUTURA

Os 12 estádios estarão prontos no final do ano. Não há dúvidas. Mas o problema é ainda as redondezas do estádio, os "estacionamentos, o acesso ao estádio para a população, as ruas, hotéis e esses são os problemas que terão de enfrentar. Mas o País tem tempo para fazer isso. E os aeroportos. Eles precisam de aeroportos porque não há tantos hotéis e terá de haver muito transporte aéreo."

ELEIÇÃO NO BRASIL

"Sim, é um ano de eleição. Não acredito que Copa seja sequestrada pelo processo político. Mas será usado, talvez pelos governadores e prefeitos, o entusiasmo do futebol para mostrar que somos os melhores aqui e os melhores aqui. Não é algo negativo. Com 2,4 milhões de ingressos solicitados, temos que parar com tudo isso (com o uso da Copa pelos políticos)."

CRÍTICA AO BRASIL

"A única coisa não positiva que eu disse sobre o Brasil foi o fato de que foram vocês que pediram para organizar a Copa do Mundo. Se é que isso é negativo. O problema que tivemos na organização foi a Lei Geral da Copa, que levou tanto tempo para ser aceita e ir a cada etapa no Congresso. Isso foi uma preocupação. A aprovação da lei foi sendo adiada e criou preocupações dentro da Fifa, entre os patrocinadores e televisões."

PROTESTO X POLICIAMENTO

"É uma questão de confiança. Eu defenderia um número menor de policiais e um melhor entendimento por parte da população. Você poderia dizer aos torcedores: nós não precisamos de tanto policiamento se vocês se comportarem, com respeito e fair-play."

CORRUPÇÃO DE RICARDO TEIXEIRA

"As pessoas mudaram. Isso não tem qualquer relação conosco. O importante para nós é que haja continuidade na operação da federação que organiza o evento. Isso não foi o caso no Brasil, que sofreu alguns problemas."

SELEÇÃO BRASILEIRA

"Não há dúvidas de que Brasil vai longe na Copa. Mas será alvo de todas as seleções. Os times farão de tudo para bater o Brasil. O Brasil terá de provar, como fez na Copa das Confederações, que é o melhor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.