Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

BNDES libera financiamento para construção da Arena Fonte Nova

Banco já aprovou R$ 1,8 bilhão para construção ou reforma de estádios para a Copa de 2014

ALEXANDRE RODRIGUES, Agência Estado

11 de janeiro de 2011 | 18h27

RIO - O BNDES e o governo do Estado da Bahia assinaram contrato de financiamento no valor de R$ 323,6 milhões para reconstrução do estádio da Fonte Nova para a Copa do Mundo de 2014, de acordo com informações do banco nesta terça-feira. A obra, uma parceria público-privada liderada pela Odebrecht, foi iniciada com recursos do governo baiano. Com a contratação do financiamento do BNDES, que corresponde a 46% do investimento total, o projeto deverá começar a receber recursos do banco ainda no primeiro trimestre.

O BNDES também já contratou o crédito de R$ 400 milhões para a Arena da Amazônia, em Manaus. Do total, já foram liberados R$ 11,8 milhões na forma de subcrédito para custear o projeto executivo do estádio. O restante, informou o banco, será liberado no decorrer das obras.

O BNDES já aprovou R$ 1,8 bilhão em crédito para construção ou reforma de estádios. Os projetos de Fortaleza (Castelão) e Cuiabá (Arena Multiuso Pantanal) também já foram contratados. Apenas a reforma do Maracanã aguarda a solução de pendências, como o aval da Controladoria Geral da União (CGU), para a assinatura do contrato com o governo fluminense.

Segundo o BNDES, é normal um intervalo entre a aprovação e a contratação para a reunião de documentos e superação de entraves burocráticos. A demora não estaria relacionada à possibilidade de revisão no orçamento total da reforma do Maracanã, orçada em R$ 712 milhões. Sinais de deterioração da estrutura da cobertura do estádio podem elevar o projeto a R$ 1 bilhão. O Ministério Público Federal pediu informações sobre o projeto.

Mesmo que o custo total da reforma do Maracanã suba, o BNDES não poderá aumentar a sua participação no projeto. A cifra de R$ 400 milhões do crédito concedido à obra, equivalente a 57% do custo total, está no teto estabelecido para cada operação no ProCopa Arenas, linha especial criada pelo banco para financiar estádios nas cidades-sede.

Na segunda, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, admitiu haver pendências em relação ao financiamento do Maracanã e de outras arenas, mas disse não ver nenhum risco aos contratos. "Essa questão está sendo esclarecida, não vemos risco nenhum. Existem outras dúvidas em outros casos, mas todas serão esclarecidas. O que nós queremos é fazer tudo corretamente e dentro do prazo", afirmou.

Segundo o BNDES, a Arena Pernambuco, último dos seis projetos que solicitaram financiamento ao banco até o momento, está em fase final de análise pela área técnica. Só após esta etapa ela será levada à aprovação da diretoria.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa de 2014SalvadorBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.