Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

BNDES libera R$ 260 milhões para a Arena Corinthians

Dinheiro é referente à primeira parcela da linha de crédito de R$ 400 milhões para a construção do Itaquerão

O Estado de S.Paulo

25 de março de 2014 | 14h23

SÃO PAULO - O Corinthians recebeu na manhã desta terça-feira R$ 260 milhões referentes à primeira parcela da linha de crédito do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para a construção do Itaquerão. O total do empréstimo é de R$ 400 milhões e os R$ 140 milhões restantes deverão ser liberados no próximo mês. A Arena Corinthians será palco de abertura da Copa, dia 12 de junho, entre Brasil e Croácia.

A liberação do dinheiro, curiosamente no momento em que o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, está no Brasil em busca da definição sobre o início dos trabalhos de colocação das estruturas temporárias no palco de abertura da Copa do Mundo, representa um alívio para os cofres do Corinthians. Mas o dinheiro vai diretamente para a conta da Arena Fundo Imobiliário, fundo constituído especificamente para o gerenciamento da Arena Corinthians. A Arena vai repassar o dinheiro para a Odebrecht, que, para tocar a obra, precisou recorrer a dois empréstimos bancários.

No ano passado, a construtora pegou, inicialmente, R$ 100 milhões no mercado. Meses depois, teve de recorrer a outro empréstimo, este de R$ 150 milhões. A empresa também colocou dinheiro próprio no empreendimento. Com isso, o custo financeiro da obra aumentou por causa dos juros. Dos R$ 820 milhões estimados inicialmente para o Itaquerão, a obra já atinge R$ 1 milhão.

Corinthians e construtora não confirmam, mas os juros dos empréstimos, contraídos junto ao Banco Santander e Banco do Brasil, estão na faixa de 2,5% ao mês. Pela linha de crédito do BNDES, os juros serão de 0,41% ao mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.