Matias Napoli/EFE
Matias Napoli/EFE

Boca cobra 'condições de igualdade' e pede suspensão da final da Libertadores

Ônibus do time xeneize foi apedrejado na chegada ao estádio Monumental de Núñez e alguns atletas foram feridos

O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2018 | 14h35

O Boca Juniors formalizou um pedido à Conmebol para que a final da Libertadores seja suspensa. Um dia após ser alvo da violência da torcida do River Plate nos arredores do Monumental de Núñez, o clube considerou que não haverá "condições de igualdade" se a partida for realizada neste domingo, como determinou a entidade continental.

"O Boca Juniors realizou neste domingo uma apresentação formal diante da Conmebol para solicitar que a final da Libertadores possa ser disputada em condições de igualdade, tal como acordaram os presidentes da entidade sul-americana, do Boca e do River, na ata que firmaram no sábado, no Monumental", divulgou o clube em comunicado.

O Boca considera que chega para a partida em condição inferior à do adversário. Não bastasse o trauma sofrido pelos ataques de sábado, o time provavelmente não contaria, por exemplo, com seu volante e capitão Pablo Pérez, que sofreu uma lesão no olho por causa do apedrejamento.

Além da suspensão da partida, o Boca também requisitou que o River seja punido de acordo com o artigo 18 do Regulamento Disciplinar da Conmebol, que prevê de multas e advertências até o fechamento do estádio e a desqualificação do clube.

"Pelos acontecimentos nas imediações do estádio, após constatar a magnitude e gravidade dos mesmos e as consequências que geraram no elenco, o Boca considera que estas condições de igualdade não estão dadas e solicita a suspensão da partida, assim como as aplicações previstas no artigo 18, para que a Conmebol atue em consequência", apontou.

No sábado, o ônibus que levava o Boca foi apedrejado nas cercanias do estádio, o que provocou lesões na região dos olhos de dois jogadores: Pablo Pérez e Gonzalo Lamardo. Além disso, outros atletas passaram mal, pois um artefato contendo gás de pimenta também foi atirado no veículo.

Diante deste cenário, um longo impasse gerou o clima de incerteza visto por horas no sábado. O horário do jogo chegou a ser adiado em duas oportunidades. Somente quando as diretorias de River e Boca entraram em acordo e comunicaram o desejo do adiamento da data da partida, a Conmebol estabeleceu que ela fosse disputada neste domingo, às 18 horas (de Brasília).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.