Boca Juniors: uma viagem infernal

A delegação do Boca Juniors sofreu um imprevisto nesta terça-feira. O avião da Varig que levaria os jogadores ao Japão, onde o clube argentino fará a final do Mundial Interclubes, domingo, contra o Milan, em Yokohama, teve um problema técnico em Los Angeles e toda a equipe teve de aguardar cinco horas no aeroporto. Por esse motivo, a diretoria do Boca cogitou até de pedir o adiamento do jogo. Acabou desistindo, porque entendeu que o atraso de cinco horas não atrapalharia a preparação da equipe. Após o problema detectado na aeronave, a delegação seguiu para Yokohama em vôo da Korean Airlines. A chegada ao Japão está prevista para as 7 horas desta quarta-feira. O Boca Juniors deixou Buenos Aires segunda-feira, às 19 horas (horário de Brasília), e chegou aos Estados Unidos depois de fazer uma escala em São Paulo. O técnico Carlos Bianchi terá todos os titulares à disposição. Depois de muita luta, o clube conseguiu a liberação do atacante Carlos Tevez, principal jogador do time. Havia um impasse, porque Tevez foi convocado para a seleção sub-20 que disputa o Mundial da categoria, nos Emirados Árabes, mas o Boca Juniors não aceitou liberá-lo. Após muita discussão, a AFA (Associação de Futebol Argentino) autorizou o atleta a não participar do Mundial e seguir com a delegação para o Japão. O clube argentino é o campeão do Torneio Apertura e também conta com o meia brasileiro Iarley, que se destacou no Paysandu (foi ele quem marcou o gol do clube brasileiro exatamente contra o Boca Juniors, em Buenos Aires, na Taça Libertadores da América). O jogador brasileiro é uma das estrelas do time, ao lado de Tevez, e veste a camisa 10, que já foi de Diego Maradona. A partida começará às 8 horas, (horário) de Brasília. Na última vez em que disputou a final do Mundial Interclubes, em 2001, o Boca perdeu para o Bayern de Munique por 1 a 0. Em 2000, havia sido campeão. Bateu o Real Madrid por 2 a 1, com dois gols do centroavante Martín Palermo. O lateral-esquerdo Roberto Carlos fez o dos espanhóis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.