Bola aérea foi fundamental para a virada polonesa

A bola aérea acabou sendo decisiva para a vitória da Polônia sobre a Costa Rica por 2 a 1. O técnico brasileiro Alexandre Guimarães até que tentou alertar os seus jogadores para tomar cuidado com essa jogada. No entanto, eles não conseguiram impedir que a bola fosse alçada dentro da área e acabaram levando dois gols (ambos marcados por Bosacki). Só de escanteios, os poloneses tiveram oito cobranças, contra duas dos costarriquenhos.Por outro lado, a Costa Rica tentou surpreender nos contra-ataques. Mas a pontaria dos jogadores não estava muito boa: em 12 chutes, os costarriquenhos só acertaram cinco vezes a meta do goleiro Boruc. Já os poloneses conseguiram ter mais precisão nos arremates - em 10 chutes, foram 7 acertos.Jogando no contra-ataque, os atacantes da Costa Rica acabaram sendo vítimas dos impedimentos. Só nessa partida foram marcados quatro - inclusive um de Wanchope, aos 37 minutos do segundo tempo, quando ele havia feito o gol de empate costarriquenho (o juiz acertou ao invalidar o lance). Na posse de bola, as equipes demonstraram equilíbrio - 49% para a Costa Rica contra 51% da Polônia.Veja abaixo as estatísticas do jogo:Finalizações: Costa Rica, 12; Polônia, 10 Finalizações certas: Costa Rica, 5; Polônia, 7 Faltas cometidas: Costa Rica, 12; Polônia, 20 Cartões amarelos: Costa Rica, 5; Polônia, 5 Cartões vermelhos: Costa Rica, 0; Polônia, 0 Escanteios: Costa Rica, 2; Polônia, 8 Impedimentos: Costa Rica, 4; Polônia, 1 Posse de bola: Costa Rica, 49%; Polônia, 51% Melhor jogador da partida: Bosacki (Polônia)(Com fifaworldcup.com)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.