Bola aérea vira principal arma da Ponte com Carpegiani

A vitória sobre o Criciúma, por 3 a 1, neste domingo, evidenciou a principal arma da Ponte Preta sob o comando de Paulo César Carpegiani. Com os três gols de cabeça de William, Artur e Éverton Santos, já são oito gols, em 12 anotados pelos campineiros, em jogadas de bolas aéreas.

AE, Agência Estado

12 de agosto de 2013 | 20h33

Este tipo de jogada tem sido bastante reforçada nos treinos táticos comandados por Carpegiani. "Sempre falo aos jogadores que nestas jogadas é preciso atacar a bola. Não se pode ficar estático, esperando", ressaltou.

Quem mais tem se beneficiado das bolas aéreas é o atacante William. Artilheiro do Brasileirão, com oito gols, o jogador de 30 anos já marcou seis desde que Carpegiani assumiu o time. Cinco deles resultados de bola alçadas. "Não faço nada sozinho. Meus números são frutos da ajuda de todos, porque tem sempre alguém para cruzar ou dar o passe", afirmou.

Após a vitória, a Ponte chegou aos 15 pontos e assumiu a 13.ª posição, se afastando da zona de rebaixamento. Nesta quarta-feira, o time terá pela frente o Vitória, no Barradão, em Salvador.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPonte Preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.