Andre Penner/AP
Andre Penner/AP

Bolívia acaba com série invicta do Brasil ao vencer por 2 a 1

Seleção, sem estrelas, cai por 2 a 1 em La Paz e encerra sequência de 16 meses e 19 jogos sem perder

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

11 de outubro de 2009 | 18h53

A seleção da Bolívia pôs fim a uma invencibilidade de 16 meses e 19 jogos do Brasil (sem suas principais estrelas) neste domingo, ao vencer por 2 a 1 em La Paz pela penúltima rodada das Eliminatórias sul-americanas para a Copa 2010.

Veja também:

link Adriano acha difícil jogar contra a Venezuela

link Após derrota em La Paz, brasileiros reclamam da altitude

link Dunga reclama da falta de tempo para adaptação

link Copa 2010: mais oito países estão classificados

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Um desfecho regular para jogadores que estavam em observação pelo técnico Dunga, como Josué, Diego Souza e Nilmar. Todos ganharam oportunidade como titular e o atacante foi quem esteve melhor, fazendo inclusive mais um gol. Kaká, Gilberto Silva e Luís Fabiano são alguns dos titulares que foram poupados.

O resultado não muda nada em relação ao Mundial, já que o time está classificado para o torneio do ano que vem na África do Sul. Só permite que Paraguai e Chile tenham chances de terminar com o simbólico primeiro lugar da classificação, pois a seleção brasileira soma 33 pontos, mesmo total dos paraguaios, enquanto que os chilenos tem 30.

A oportunidade para fechar a disputa de maneira positiva e como campeão será na quarta-feira, contra a já eliminada Venezuela, em Campo Grande (MS), no Estádio Morenão (às 19 horas de Brasília), com a presença de todos os grandes jogadores convocados.

PROBLEMAS

Para a história, fica o retrospecto incômodo da seleção não vencer nos 3,6 mil metros de altitude de La Paz desde 1997, e agora quatro derrotas para os bolivianos em 13 confrontos (com sete vitórias do Brasil e três empates).

 BOLÍVIA2
Arias; Zabala    , Rivero, Raldes e García; Leonel Reyes    , Olivares, Gutiérrez     e Abdón Reyes (Vaca); Marcelo Moreno (Pedriel) e Arce (Pachi).
Técnico: Erwin Sánchez
 BRASIL1
Julio Cesar; Maicon, Luisão, Miranda e André Santos     (Elano); Josué    , Ramires    , Daniel Alves     e Diego Souza (Alex); Adriano (Diego Tardelli) e Nilmar.
Técnico: Dunga
Gols: Olivares, aos 9, Marcelo Moreno, aos 30 minutos do primeiro tempo. Nilmar, aos 24 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Pablo Pozo (Chile).

Renda e público: não disponíveis

Estádio: Hernando Siles, em La Paz (BOL)

Nos noventa minutos de partida - com sol e calor - o time do Brasil sofreu com a falta de entrosamento. Jogou mal, teve dificuldades para chegar ao ataque e fazer uma boa marcação. Fica até a sensação de incômodo com a altitude, que torna o ar rarefeito, pela lentidão. Deixou espaços para os bolivianos, que souberam aproveitar as chances que tiveram.

E nos nove primeiros minutos a Bolívia fez pressão e conseguiu o gol, após cobrança de escanteio da direita, que Olivares foi esperto para aproveitar a falha de posicionamento da defesa brasileira e, sozinho no meio da área, cabeceou no chão e no canto de Júlio César - que ainda ficou no meio do caminho.

Aos poucos surgiram chances para a seleção, com Diego Souza, Nilmar e Daniel Alves, que até acertou a trave do goleiro Arias. Maicon até fez um gol, mas estava impedido. E aos 30 minutos veio o castigo, com o segundo gol boliviano, de Marcelo Moreno ao bater falta de longe e mandar no ângulo, sem chance para Júlio César.

E teve ainda Adriano, que pouco fazia em campo, teve de sair no intervalo após cortar o tornozelo esquerdo e ter de tomar quatro pontos. Outro fato que será citado: um torcedor que invadiu o campo com roupas alusivas ao Corinthians e uma faixa pedindo a convocação do atacante Ronaldo.

RECUPERAÇÃO

As entradas em campo de Elano, Alex e Diego Tardelli no segundo tempo fez o time melhorar quase nada. Mas o torcedor teve a chance de ver pelo menos um gol brasileiro. Em contra-ataque, Maicon recebe na área e descola ótimo cruzamento para Nilmar, que mergulha de cabeça para fazer o gol, aos 24 minutos do segundo tempo.

Mas nada que mudasse o panorama da partida. E nem o futuro do time projetando a participação na Copa do Mundo do próximo ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.