Bolívia falará com vice da Fifa, sobre veto à altitude

O gerente-geral da Federação Boliviana disse que o grupo também contará com o presidente da entidade

13 de janeiro de 2008 | 19h25

Uma delegação de dirigentes da Bolívia pedirá nesta terça-feira ao presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA), Julio Grondona, que também é vice da Fifa, para interceder dentro do organismo a favor da prática do esporte em cidades na altitude.  O gerente-geral da Federação Boliviana de Futebol (FBF), Alberto Lozada, disse que o grupo também contará com o presidente da entidade, Carlos Chávez. É possível que o ministro da Presidência, Juan Ramón Morales, também viaje. No sábado, o presidente boliviano Evo Morales, se comprometeu a enviar um representante à reunião.  Uma recente resolução de a Fifa estabelece a proibição da realização de jogos de futebol em estádios localizados a mais de 3.000 metros de altitude, a não ser que haja um período de aclimatação de pelo menos duas semanas.  O estádio Hernando Siles de La Paz, onde a Bolívia deve jogar com as seleções de Chile e Paraguai em junho, pelas Eliminatórias Sul-americanas à Copa do Mundo de 2010, fica 3.577 metros acima do nível do mar.  A viagem à Argentina é o primeiro ato em nível internacional dentro da campanha da Bolívia para defender o esporte na altitude.  Morales também deve tomar outras iniciativas para buscar apoio na região.  No sábado, a imprensa local lembrou que o presidente viu com suspeitas a decisão da Fifa de mudar as regras com as Eliminatórias Sul-americanas à Copa de 2010 em andamento.  Morales também disse que uma mudança das normas relativas à altitude provocaria uma "divisão" do futebol na região - por isso, ele acha que os dirigentes do futebol sul-americano ficarão ao seu lado.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaFifaaltitude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.