Bolívia não enfrentará o Brasil em Potosí pelas Eliminatórias

A Federação Boliviana de Futebol (FBF) negou nesta segunda-feira que enfrentará o Brasil na cidade de Potosí, que fica aproximadamente quatro mil metros acima do nível do mar, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.A sugestão havia sido feita pelo técnico da seleção, Erwin Sánchez, como uma forma de reivindicar o direito das equipes bolivianas de disputar seus jogos onde quiserem, em resposta à atitude da diretoria do Flamengo, que não queria mais atuar em alturas nãorecomendadas pela medicina esportiva."Se levam a Bolívia para jogar sob um calor de 40 graus e com uma umidade tremenda, então nós temos de escolher onde jogar, gostem eles ou não", havia dito o treinador no último sábado.Em comunicado, o presidente do Flamengo, Márcio Braga, tinha afirmado que jogar em cidades tão altas como Potosí colocava em risco a vida dos atletas, pois sofriam danos físicos.Na última quarta-feira, o Flamengo teve muitos problemas para empatar em 2 a 2 com o Real Potosí, time da cidade, pela Libertadores. Os jogadores cariocas tiveram de usar tubos de oxigênio para respirar e alguns chegaram a cair em campo devido à falta de ar.O presidente da FBF, Carlos Chávez, disse que a única sede confirmada para as Eliminatórias é La Paz, 3.600 metros acima do nível do mar. "Não há nenhuma chance de disputar os jogos em outra sede", afirmou o dirigente.A postura do Flamengo havia provocado indignação em Potosí. O prefeito da cidade, René Joaquino, pediu à FBF que tomasse uma atitude diante das declarações de Braga. "Potosí não pode ser estigmatizada assim, porque o futebol é um esporte universal. Não devemos excluir as cidades que têm características especiais", contou Joaquino.Com exceção de 1985, quando jogou em Santa Cruz de la Sierra, a Bolívia sempre disputou as Eliminatórias no Estádio Hernando Siles, em La Paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.