Bolívia vence e invencibilidade do Brasil cai em La Paz

A seleção da Bolívia pôs fim a uma invencibilidade de 16 meses e 19 jogos do Brasil, que não contou com jogadores importantes neste domingo. Na altitude de La Paz, os bolivianos venceram por 2 a 1, em partida válida pela penúltima rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010.

MILTON PAZZI JR., Agencia Estado

11 de outubro de 2009 | 19h33

O jogo foi mais uma chance para jogadores que estavam em observação pelo técnico Dunga, como Josué, Diego Souza e Nilmar. Todos ganharam oportunidade no time titular, e o atacante foi quem esteve melhor, fazendo inclusive o gol brasileiro. Kaká, Gilberto Silva e Luís Fabiano foram os titulares convocados por Dunga e poupados neste domingo.

O resultado não muda nada em relação ao Mundial, já que a seleção está classificada para o torneio do ano que vem, na África do Sul. Só permite que Paraguai e Chile tenham chances de terminar com o simbólico primeiro lugar das Eliminatórias, pois o time de Dunga soma 33 pontos, mesma pontuação dos paraguaios, enquanto que os chilenos têm 30, restando uma rodada.

A oportunidade para fechar a disputa de maneira positiva e na liderança será na próxima quarta-feira, contra a Venezuela - praticamente eliminada -, em Campo Grande (MS), no Estádio Morenão, às 19 horas (de Brasília), com a presença de todas as estrelas convocadas.

Para a história, fica o retrospecto incômodo da seleção brasileira de não vencer desde 1997 nos 3,6 mil metros de altitude de La Paz. Já a Bolívia ao menos garantiu a condição de não terminar as Eliminatórias na lanterna. Com 15 pontos, os bolivianos aparecem cinco à frente do Peru, contra quem encerram a sua participação na próxima quarta, em Lima.

PROBLEMAS - Durante toda a partida - com sol e calor -, o time do Brasil sofreu com a falta de entrosamento. Jogou mal, teve dificuldades para chegar ao ataque e fazer uma boa marcação. Ficou até a sensação de incômodo com a altitude, que torna o ar rarefeito, pela lentidão apresentada. A equipe deixou espaços para os bolivianos, que souberam aproveitar as chances que tiveram.

Nos nove primeiros minutos, a Bolívia fez pressão e conseguiu o gol. Após cobrança de escanteio da direita, Olivares foi esperto para aproveitar a falha de posicionamento da defesa brasileira e, sozinho, no meio da área, cabecear no em direção ao chão e no canto de Julio Cesar, que ficou no meio do caminho.

Aos poucos, surgiram chances para a seleção, com Diego Souza, Nilmar e Daniel Alves, que até acertou a trave do goleiro Árias. Maicon chegou a fazer um gol, mas estava impedido. E aos 30 minutos veio o castigo, com o segundo gol boliviano. Marcelo Moreno cobrou falta na entrada da área e mandou no canto, enquanto Julio Cesar nem se mexeu.

Já Adriano, que pouco fazia em campo, teve de sair no intervalo após cortar o tornozelo esquerdo e ter de tomar quatro pontos.

RECUPERAÇÃO - As entradas de Elano, Alex e Diego Tardelli no segundo tempo fizeram o time melhorar quase nada. Mas o torcedor teve a chance de ver pelo menos um gol brasileiro. Em contra-ataque, Maicon recebeu na área e descolou ótimo cruzamento para Nilmar, que mergulhou de cabeça para marcar, aos 24 minutos.

Mas nada que mudasse o panorama da partida. E nem o futuro do time projetando a participação na Copa do Mundo do ano que vem.

Ficha Técnica:

Bolívia 2 x 1 Brasil

Bolívia - Árias; Zabala, Rivero, Raldes e Garcia; Leonel Reyes, Olivares, Gutiérrez e Abdón Reyes (Vaca); Marcelo Moreno (Pedriel) e Arce (Pachi). Técnico: Erwin Sánchez.

Brasil - Julio Cesar; Maicon, Luisão, Miranda e André Santos (Elano); Josué, Ramires, Daniel Alves e Diego Souza (Alex); Nilmar e Adriano (Diego Tardelli). Técnico: Dunga.

Gols - Olivares, aos nove, e Marcelo Moreno, aos 30 minutos do primeiro tempo; Nilmar, aos 24 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Zabala, Gutiérrez e Rivero (Bolívia); Ramires, André Santos, Josué e Daniel Alves (Brasil).

Árbitro - Pablo Pozo (Fifa-Chile).

Renda e público - Não disponíveis.

Local - Estádio Hernando Siles, em La Paz (Bolívia).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.