Boliviano sabe que terá poucas chances

"Não posso errar. Tenho de aproveitar as chances que tiver, porque os atacantes brasileiros são ótimos e devem fazer algum gol na nossa defesa", disse nesta terça-feira o atacante Joaquin Botero aos jornalistas de seu país. Ele estava se referindo ao confronto de domingo, no Morumbi, entre Brasil e Bolívia, pelas Eliminatórias da Copa. Baixinho, com apenas 1m71, Botero é um jogador muito rápido e com bom posicionamento na área, o que lhe permite alguns gols de cabeça. Marcou quatro dos nove gols feitos pela Bolívia até agora nas Eliminatórias. O atacante ganhou notoriedade em 1999, quando atuava no Bolívar e fez 49 gols no Campeonato Boliviano. Ninguém, no mundo, fez tantos gols em um campeonato nacional naquele ano. Por isso, ganhou um prêmio da Federação Internacional de História e Estatística de Futebol. Em 1999, Botero transferiu-se para o Pumas, do México. E, nesta terça-feira, atuou durante 72 minutos na vitória de 1 a 0 sobre o Real Madrid, no amistoso disputado no Santigo Bernabeu. Botero afirmou que não perderia, em hipótese alguma, a oportunidade de enfrentar o Brasil. "É um grande time, com os maiores jogadores do mundo, e ninguém quer perder essa oportunidade. Farei de tudo para ajudar a Bolívia nessa partida", revelou. A Bolívia nunca venceu o Brasil como visitante. Todos sabem que a possibilidade de o tabu cair é pequena, mas prometem uma dedicação muito grande. "A chave para um bom resultado é estar bem concentrado o jogo todo, porque Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho podem definir a partida em um instante", disse o zagueiro Oscar Sánchez, que tem 15 anos de seleção. Durante a partida, ele poderá se adiantar um pouco, deixando para trás Raldes e Peña, os outros dois zagueiros, juntando-se assim aos volantes Tufiño e Luís Cristaldo. A função desses três jogadores será roubar alguma bola e lançar Botero. Ou os laterais Ribeiro e Colque, que poderão subir uma vez ou outra. Atrás desses laterais, estarão outros dois - Jáuregui e Álvarez - de posicionamento exclusivamente defensivo. Há uma dúvida no gol, entre Jose Carlos Fernández e Leonardo Fernández. O primeiro, que joga no Deportivo Medellin, da Colômbia, tem mais chances.

Agencia Estado,

31 Agosto 2004 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.