Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro consulta Renato Gaúcho em debate sobre retomada do futebol

Treinador do Grêmio informa ao presidente que "não" é hora de voltar com as partidas no País, mesmo com os estádios de portões fechados

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2020 | 12h02

O treinador do Grêmio, Renato Gaúcho, aconselhou informalmente o presidente da República Jair Bolsonaro sobre a retomada do futebol brasileiro, assunto discutido nesta semana até pelo ministro da Saúde, Nelson Teich. Portaluppi recomendou ao presidente que este não é o momento de forçar a volta de qualquer atividade ligada ao esporte, sejam treinos ou campeonatos estaduais. Bolsonaro foi quem tomou a iniciativa de iniciar o contato, ocorrido na quarta-feira da semana passada, por telefone.

A informação foi divulgada pelo site GaúchaZH. Apesar de discreto, o presidente já havia revelado, em entrevista, na última segunda-feira, que personagens ligados ao futebol foram contatados por ele. O treinador do Grêmio é tido como responsável pela paralisação do Campeonato Gaúcho, ocorrida no dia 16 de março, após ameaçar realizar uma greve, caso a competição não fosse suspensa.

Sua boa relação com o presidente, somada a essa influência no meio, lhe atribuíram o "cargo" de consultor. De acordo com a publicação, Renato disse ao presidente que, no momento, não há possibilidades da retomada de treinos, mesmo com a existência de um protocolo a ser seguido. Essa recomendação do treinador se justificaria pelo número elevado de pessoas envolvidas na realização do evento e por não haver testagem suficientes para jogadores.

A relação entre Renato Gaúcho e Jair Bolsonaro, por mais que discreta, se aprofundou durante as eleições de 2018 e se manteve em harmonia desde então. Em 2019, o treinador convidou o presidente para assistir uma partida do Grêmio e, neste ano, enviou uma camisa do time tricolor ao Palácio da Alvorada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.