Divulgação
Divulgação

Bolsonaro se encontra com presidentes de Flamengo e Vasco para discutir retomada do futebol

Presidente almoçou com Rodolfo Landim e Alexandre Campello nesta terça-feira, em Brasília

Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2020 | 16h58

Em compromisso fora da agenda oficial, o presidente Jair Bolsonaro almoçou nesta terça-feira, no Palácio do Planalto, com os presidentes do Flamengo, Rodolfo Landim, e do Vasco, Alexandre Campello. Na mesa, a possível retomada de torneios de futebol durante o período de crise por causa do novo coronavírus. As competições estão interrompidas desde março.

No almoço, Landim e Campello sentaram lado a lado na mesa, diante do presidente da República. O Flamengo também levou para o encontro o chefe do departamento médico do clube, Márcio Tannure, e o diretor de marketing, Aleksander Santos. Antes, também tiveram encontro com o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, também presente no almoço. O encontro ainda incluiu os ministros Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral, e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, e o ator Mário Frias.

No almoço, um dos assuntos foi a possibilidade de levar os treinos das duas equipes para Brasília. Flamengo e Vasco poderiam retomar suas atividades no gramado no estádio Mané Garrincha, já colocado à disposição pelas autoridades do Distrito Federal. Seria uma forma de retomar os trabalhos sem haver conflitos com a prefeitura do Rio. Nesta terça, o prefeito Marcelo Crivella disse que ainda não autorizou o retorno dos clubes aos treinos. Da proposta feira pela Federação de Futebol do Rio para a retomada dos treinos, apenas Botafogo e Fluminense não aceitaram.

No dia 30 abril, em entrevista à Rádio Guaíba, Bolsonaro defendeu a volta das atividades no futebol. Na ocasião, disse ter conversado com o técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, e com Walter Feldman, secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ainda na entrevista, o presidente mencionou que a decisão de "voltar o futebol" não era sua, mas que poderia "colaborar". Desde então, há uma pressão muito forte em Brasília pela retomado do futebol.

A CBF ainda não se posicionou como Confederação. Ele deixou tudo nas mãos dos clubes, que são subordinados às determinações de seus Estados. No Sul do País, Grêmio e Inter retomaram as atividades. Em São Paulo isso ainda não aconteceu. A FPF pediu para que os times mantivessem seus atletas treinando em casa. O futebol brasileiro não tem data para retornar as partidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.