Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Bom Senso defende renúncia imediata de Del Nero

Em comunicado, coloca em xeque Assembleia Geral da CBF 

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2015 | 13h27

O Bom Senso FC colocou em dúvida o real propósito da Assembleia Geral da CBF desta quinta-feira e exige a renúncia imediata do presidente Marco Polo del Nero. Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, o movimento que luta por melhorias no futebol defende a realização de novas eleições na CBF ainda neste ano.

"A partir da prisão de Marin e da renúncia de Blatter, o Torcedor, a comunidade do futebol e a sociedade brasileira cobram mudanças reais no modelo de gestão da Confederação Brasileira de Futebol", diz a nota do Bom Senso.

A CBF convocou uma assembleia extraordinária com as 27 federações. Oficialmente, a reunião, que será realizada nesta quinta-feira, decidiria uma "reforma parcial" do estatuto da entidade. Por outro lado, seria também uma forma de Del Nero deixar no poder uma pessoa de sua confiança.

As denúncias de corrupção que atingiram Fifa e CBf deixaram Del Nero enfraquecido, mesmo tendo assumido o cargo há cerca de dois meses. José Maria Marin, ex-presidente, está preso na Suíça respondendo por recebimento de propina.

"Pelo posicionamento público dos dirigentes da CBF e pelas informações obtidas pela imprensa, não acreditamos que a Assembleia Geral da próxima quinta-feira, dia 11, sob o comando de Marco Polo Del Nero, aprove essas medidas democratizantes", diz a nota. "Diante disso, defendemos a renúncia imediata do presidente Del Nero ao seu cargo e convocação de novas eleições."

Leia a nota do Bom Senso na íntegra:

A partir da prisão de Marin e da renúncia de Blatter, o Torcedor, a comunidade do futebol e a sociedade brasileira cobram mudanças reais no modelo de gestão da Confederação Brasileira de Futebol.

 

O Bom Senso FC reitera a público as propostas de mudanças estatutárias que visam democratizar a CBF e iniciar o processo de renovação reivindicado pelos torcedores, por ídolos do nosso futebol e por amplas parcelas da mídia e da sociedade.

1) limitação de mandatos, permitindo apenas 1 (uma) reeleição à Presidência da entidade;

2) Democratização das instâncias de decisão da CBF, como o Colégio Eleitoral, a Assembleia Geral e os Conselhos  Técnicos, garantindo direito proporcional de voto aos atletas, técnicos e gestores;

3) direito a voto a todos os clubes participantes do Campeonato Brasileiro, de todas as divisões, na Assembleia Geral da CBF;

4) diminuição da cláusula de barreira: apoio de 1 (uma) Federação ou de 1 (um) clube para inscrição de chapas à Presidência da CBF;

5) adoção das medidas de Fair Play Financeiro previstas no texto original da MP 671; e

6) banimento do esporte de todos os envolvidos com escândalos de corrupção.

Pelo posicionamento público dos dirigentes da CBF e pelas informações obtidas pela imprensa, não acreditamos que a Assembleia Geral da próxima quinta-feira, dia 11, sob o comando de Marco Polo Del Nero, aprove essas medidas democratizantes.

Diante disso, defendemos a renúncia imediata do presidente Del Nero ao seu cargo e convocação de novas eleições para a CBF até o final do ano, já com as propostas de mudanças estatutárias em curso.

Bom Senso Futebol Clube,

por um futebol melhor para todos


Tudo o que sabemos sobre:
Bom Senso FCCBFDel NeroCorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.