Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Bom Senso vai continuar', diz Paulo André após confirmar saída

O agora ex-corintiano era o principal líder do grupo

Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2014 | 12h09

SÃO PAULO - Paulo André confirmou, nesta quarta-feira, que está deixando o Corinthians para o defender o Shanghai Shenhua, time chinês. Além da perda para o clube, a saída do zagueiro é significativa também para o Bom Senso FC, movimento de jogadores que cobra melhores condições de trabalho no futebol brasileiro. O agora ex-corintiano era o principal líder do grupo e acredita que sua transferência pode até fazer bem à imagem do Bom Senso, que estava muito atrelada a ele.

"Talvez não tendo a minha figura todo mundo enxergue que esse é um movimento dos jogadores da Série A e da Série B, não apenas do Paulo André, do Dida, do Rogério, do D'Alessandro, do Prass, mas de todos que entendem que o futebol pode melhorar. Nesse aspecto, o Bom Senso ganha muito com a minha saída", argumentou ele, em entrevista coletiva.

Paulo André garante, porém, que vai continuar mantendo contato com os líderes do Bom Senso e não vai abandonar o projeto, participando pela internet. "Muito dessas propostas que vão ser divulgadas em breve eu participei da formatação delas. O Bom Senso vai continuar e vai defender seus interesses", garantiu.

Desde que a primeira notícia sobre a ida para a China foi publicada, Paulo André tem sido bombardeado nas redes sociais, considerado um desertor, porque criou o Bom Senso e o abandonou antes de o movimento conseguir algum resultado prático. Questionado a respeito, rebateu.

"Isso é uma besteira gigantesca que muitas pessoas podem dizer. Não é a primeira vez que recebi uma proposta e eu ainda tenho direito de decidir o que quero fazer. Minha prioridade é meu trabalho, mas minhas convicções políticas continuarão. Fiz meu papel como cidadão muito mais que essas pessoas que estão me criticando e saio com o dever cumprido", afirmou ele.

CORINTHIANS

Com relação ao clube, Paulo André garantiu que sua transferência não teve a ver com a invasão ao CT corintiano, há 10 dias. "Claro que naquele dia foi assustador, qualquer pessoa pensa na questão da sobrevivência, mas não foi preponderante", contou.

O diretor de futebol do Corinthians, Ronaldo Ximenes, completou garantindo que a saída de Alexandre Pato, Paulo André e Douglas não teve relação com a invasão ao CT. "Não é uma resposta ao que aconteceu. Não tem uma relação causa efeito. Esse ciclo vitorioso chegou ao fim. Por isso precisávamos com uma reformulação que começou com a saída do Tite", garantiu.

O Paulo André tinha mais um ano de contrato com o Corinthians, mas a diretoria preferiu abrir mão da fatia de 30% dos direitos econômicos do jogador a que tinha direito, liberando o zagueiro de graça para os chineses. Um reconhecimento merecido a um campeão mundial.

"Agradeço ao Corinthians. Foram cinco anos que mudaram a minha vida. Recebi a proposta na segunda-feira e acabou mexendo comigo. Foi interessante pelo projeto da equipe. É um projeto audacioso. Isso me fez ficar inclinado a aceitar esse convite e iniciar uma vida no outro lado do mundo", explicou Paulo André.

O zagueiro quase chorou quando lembrou das lesões que teve e agradeceu ao departamento médico pelas tantas horas de atenção. "Claro que vou ficar com saudade por tudo que passei aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.