Bonamigo deixa o Palmeiras

A Diretoria do Palmeiras tinha o argumento que precisava para encerrar o ciclo de Paulo Bonamigo no clube. A derrota em casa para o Fortaleza foi a gota d´água de uma combinação que nunca deu certo. Mas nem precisou tomar a iniciativa. O próprio Bonamigo reuniu os jornalistas após o jogo no Parque Antártica e pediu demissão.Não dava mais para ele. Não havia clima algum para seguir no Palmeiras. Suas palavras foram de agradecimento apenas. ?Só tenho a agradecer a chance que me deram e reconhecer que esse elenco está unido e disposto a reverter a situação no Campeonato Brasileiro?, disse um Bonamigo de olhos vermelhos, mas de cabeça erguida. Ele deixou o Palestra escoltado por três seguranças. Já fora do cargo e do comando do time, ainda foi vaiado por alguns torcedores das uniformizadas. Seguiu andando, olhando para o chão. Foi uma despedida melancólica. O gol do Fortaleza aos 14 minutos do segundo tempo fez o torcedor explodir. Sua ira caiu sobre Bonamigo que, de braços cruzados à beira do gramado, parecia não acreditar no que estava acontecendo. Foi ofendido: ?Burro! Burro! Burro!? Depois, voltou a ouvir o nome do fantasma que o assombra no Parque: ?Leão! Leão! Leão!? A bronca começou após o intervalo, sobretudo porque o torcedor esperava que ele fosse mexer na equipe, que pouco fez nos primeiros 45 minutos. O time foi mantido. Sua primeira alteração ocorreu após o gol. Era tarde. Já havia entrado em desgraça diante dos palmeirenses. O time reagiu, mas voltou a sofrer outro gol. O treinador deixou o campo de cabeça baixa. Parecia assumir a culpa do fracasso. Assumiu. O presidente Affonso della Monica já havia manifestado sua intenção de mudar de treinador. ?Não consegui arrumar o time, vencer os jogos. Não tem como continuar trabalhando dessa forma. Foi um aprendizado para mim?, foi sua última frase no vestiário. O novo treinador, que deve ser mesmo Leão, terá mais opções para montar a equipe na seqüência do torneio. Juninho, que cumpriu suspensão, volta ao time. Corrêa, também. E Baiano não foi julgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.