Bonamigo: "Tenho de matar muitos leões"

A incrível virada do Palmeiras no segundo tempo salvou Bonamigo. O treinador, que na véspera admitiu que poderia pedir demissão se o time perdesse do Vasco, enfim conseguiu relaxar. Na entrevista coletiva após a partida, Bonamigo usou um jogo de palavras para definir a ressurreição de sua equipe. "O segundo tempo de hoje tem de ser a nova cara do Palmeiras. Um time que marca, que usa os dois flancos e que sabe aproveitar a qualidade individual de seus jogadores. Mas, apesar do resultado de hoje, vamos ter que matar um leãozinho toda semana." A frase nada tinha a ver com a sondagem feita pela diretoria a Emerson Leão. Um repórter aproveitou a deixa e lembrou que a torcida gritou o nome de seu ex-goleiro, ao final do primeiro tempo, quando o Palmeiras perdia por 1 a 0. Sorridente, Bonamigo usou bom humor em sua resposta. "Pois é, já matei um (leãozinho) hoje. Agora vou ter que matar o outro". Além do próprio Bonamigo, dois jogadores, em especial, foram reverenciados. Pedrinho, por ter mudado a cara da equipe no segundo tempo. E Marcinho, que, além do ótimo desempenho na etapa final, fez três gols. E, no primeiro, ainda correu na direção do banco de reservas para abraçar o chefe. "Não vencemos para o Bonamigo, vencemos para nós mesmos. E é claro que o Bonamigo faz parte disso", sintetiza o atacante. Já o meia Pedrinho fez um discurso emocionado. Mas parecia convencido de que, a partir de agora, terá vida nova na equipe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.