Bonamigo vai manter os três zagueiros

A insegurança mostrada pela defesa especialmente na derrota para o Paraná, em pleno Parque Antártica, forçou Paulo Bonamigo, do Palmeiras, a rever seus planos. O treinador estava convencido de que poderia trocar a presença do terceiro zagueiro por um atacante a mais na frente, ou, quem sabe, jogar com dois meias ofensivos. Mas, por razões óbvias, teve de recuar. "Cheguei à conclusão que o Palmeiras ainda não está pronto para jogar sem o terceiro zagueiro. A defesa ainda não está segura o bastante para isso", disse o treinador.Bonamigo, porém, não culpa só os zagueiros pela deficiência da defesa. O técnico afirma que o Palmeiras ainda precisa aprender a se movimentar melhor em campo, especialmente quando não tem a posse de bola. "Com o tempo o time vai aprender que é preciso jogar em bloco, com os três compartimentos mais próximos um do outro. Quando o ataque sai, a defesa e o meio-de-campo devem sair no mesmo ritmo, sem deixar espaços entre os setores. E isso você só adquire com trabalho e muito treinamento."Outro vício, segundo o treinador, é o recuo desnecessário quando o time está em vantagem no placar. Por mais que Bonamigo grite, pedindo para o time não voltar, o recuo é quase automático no time. "É instintivo, uma espécie de vício. O time tem o hábito de recuar demais e às vezes dá ao adversário um espaço gratuito. Com certeza, vamos ter de atacar urgentemente essa falha."Bonamigo ainda não está totalmente seguro disso, mas imagina que uma coisa pode estar ligada à outra - a insegurança da zaga pode criar insegurança no resto da equipe, o que pode explicar o ato instintivo de recuar, mesmo quando o placar é favorável.A solução do problema pode ser a contratação de um zagueiro experiente. Depois de fracassarem as tentativas por Gamarra, da Inter de Milão, e por Dininho, atualmente no futebol japonês, Bonamigo indicou Paulo Baier, que não é zagueiro mas que poderia dar segurança ao sistema defensivo por ser um jogador experiente e vibrante.Como nenhum das três transferências deu certo, o treinador se convenceu que a única alternativa viável seria a volta do sistema com o terceiro zagueiro. "A princípio, eu só pretendia jogar com o terceiro zagueiro na Libertadores, competição em que a pegada se torna uma característica ainda mais importante. Mas vou repensar isso. E devo manter a defesa com os três zagueiros também no Campeonato Brasileiro, pelo menos até a hora em que a defesa me mostrar maior confiança."Domingo, contra o Cruzeiro, a defesa palmeirense jogará fortalecida pela volta de Nen. O jogador é titular absoluto no time de Bonamigo. O treinador gosta de contar com um jogador do tipo de Nen, que tem uma grande ascensão sobre os demais.Não por acaso, Bonamigo o relacionou para a concentração do clássico contra o São Paulo, apesar de o jogador estar suspenso. "O Nen é o tipo do jogador importante para o grupo", diz o treinador. "Ele está sempre para cima. É um aglutinador. Com ele e com Magrão, que também é um atleta de fibra, o Palmeiras ficará mais encorpado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.