José Luís da Conceição/AE
José Luís da Conceição/AE

Borges diz que pretende ficar no São Paulo e nega negociação

Atacante afirma que não assinou pré-contrato com nenhuma equipe, mas não descarta transferência no futuro

Agência Estado,

14 de agosto de 2009 | 21h02

O atacante Borges fez questão de atender à imprensa nesta sexta-feira para explicar que, por enquanto, não negocia com nenhum outro clube. A lei até permite a assinatura de um pré-contrato, mas, segundo o jogador, isso não acontecerá. Ele afirmou que o São Paulo tem prioridade na renovação e que, até aqui, recebeu apenas uma oferta da Europa, já recusada por ele.

Veja também:

linkGomes mantém dúvida sobre volta de Ceni

linkJorge Wagner vai atingir marca história

linkInvasores alteram site do São Paulo

linkDenis diz que foi aprovado por sequência

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Há um mês falaram que eu tinha assinado um pré-contrato com o Palmeiras. Agora vem essa história de Corinthians. Eu não vou conversar com nenhuma equipe antes de resolver minha situação com o São Paulo. Eu tenho respeito pelo clube, pela torcida e por tudo que eu conquistei aqui", avisou Borges. "Eu nunca largaria o clube desta maneira tão feia, não quero ficar tachado assim."

Borges, porém, não descartou atuar por Palmeiras ou Corinthians no futuro - ele até se encontrou recentemente com representantes da Traffic, parceira palmeirense. "Eu não posso fechar nenhuma porta, porque não sei como vai ser o dia de amanhã. A única coisa que posso garantir é que não assinei pré-contrato com nenhuma equipe", explicou o jogador do São Paulo, cujo contrato acaba no final do ano.

O atacante ainda disse que foi procurado por um clube europeu, mas que não se interessou pela oferta. "Fora isso, foi tudo especulação", garantiu Borges, que negou também qualquer contato da Lazio, da Itália. "Mas claro que sonho em jogar na Europa. Não escondo isso de ninguém."

Em relação ao São Paulo, ele disse que espera um contato do presidente Juvenal Juvêncio para uma nova conversa. O dirigente, porém, já disse que gostaria muito de contar com Borges para 2010. O principal empecilho é o salário elevado - recebe R$ 100 mil mensais. "O Juvenal gosta de mim, vamos ver", disse o atacante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.