Boris Berezovski é procurado na França

Se a MSI de fato aceitar a oferta do magnata russo Boris Berezovski de dar US$ 50 milhões para a construção de um estádio para o Corinthians, o time do Parque São Jorge que se cuide. O milionário está agora sendo buscado pela polícia francesa por lavagem de dinheiro. O jornal suíço Le Matin revelou com exclusividade em sua edição de domingo que as autoridades francesas realizaram uma operação secreta de busca ao magnata russo em seu castelo na região da Cote d´Azur, na costa francesa do Mar Mediterrâneo. A operação teria ocorrido há poucos dias, mas Berezovski não estava em sua casa avaliada em quase US$ 30 milhões. Apenas sua mãe foi encontrada no local.Apesar de procurado por várias polícias do mundo, Berezovski deu uma entrevista exclusiva por telefone à Agência Estado no dia 24 de maio e revelou que havia se reunido com a MSI e com o presidente do Cortinhians, Alberto Dualib, para acertar sua participação na construção de um estádio para a equipe paulista.Segundo o jornal suíço, a recente operação policial tem uma motivação política. Berezovski está sendo procurado pelos franceses depois que o presidente russo Vladimir Putin, inimigo do empresário, pediu que Paris se esforçasse na busca do magnata. A ação seria uma retaliação à tentativa de Berezovski de tentar defender um outro empresário russo, Mikhail Khodorkovsky, que foi condenado em Moscou a nove anos de prisão por sua gestão da empresa de petróleos Yukos.Berezovski teria viajado nos últimos dias para Israel para montar, juntamente com outras personalidades, uma estratégia de defesa de seu amigo condenado. Irritado, Putin pediu a seus colegas europeus para darem uma "prensa" no russo. A ação no castelo de Berezovski ocorreu quase como em um filme de ação: os policiais chegaram à propriedade do russo em helicópteros.O castelo teria sido comprado por Berezovski em 1997 por meio de suas empresas na Suíça, Ovago e Andava. Os juízes de Genebra não conseguiram provas para condenar o russo, mas o Ministério Público suíço garante que um "dossiê Berezovski" ainda existe. No caso do castelo, essa é a segunda vez que os franceses agem contra o russo. Na primeira tentativa, em 2002, a suspeita era de que o dinheiro para a compra teria sua origem na fraude cometida por Berezovski contra a empresa aérea Aeroflot. A investigação não conseguiu chegar ao fim.Dinheiro sujo - Apesar de Berezovski sempre conseguir se livrar de processos e de estar vivendo exilado em Londres, um importante político de Moscou, Alexander Biessmertnikh, garante em declarações à Agência Estado que a origem do dinheiro do russo é "ilegal". Biessmertnikh foi um dos últimos ministros das Relações Exteriores da extinta União Soviética. Parte do gabinete de Mikhail Gorbatchev, ele foi responsável pelas negociações para o fim da Guerra Fria com os Estados Unidos.Sobre Berezovski, o político parece não ter dúvidas: "Trata-se de um empresário que montou sua fortuna inicial de forma ilegal, roubando ao Estado e fraudando empresas. Hoje, ele quer enfraquecer o governo (de Putin)".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.