Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Borja agradece a vinda de Roger ao Palmeiras: 'Deus pôs ele na minha vida'

Atacante colombiano credita boa fase ao treinador e garante estar mais adaptado ao Brasil um ano após chegada

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2018 | 07h00

O atacante Miguel Borja, do Palmeiras, teve um ritual diferente na noite desta quinta-feira. Avesso a entrevistas e discreto fora do campo, o colombiano decidiu falar na zona mista do Allianz Parque depois de ter marcado os gols do time no empate por 2 a 2 com o Linense, pelo Campeonato Paulista. Os recados dele foram claros, ao dizer que recebeu críticas injustas em 2017 e prometer melhorar ainda mais nesta temporada.

+ Jogadores do Palmeiras exaltam manutenção da invencibilidade

+ ANTERO GRECO: Palmeiras e o tropeço em boa hora

A contratação de R$ 33 milhões, o mais caro reforço do ano passado, disse ter sofrido com a adaptação ao Brasil na chegada ao Palmeiras. Foram 43 jogos e dez gols em 2017 ante números bem melhores neste 2018. Em sete partidas, foram cinco gols, metade do que fez em todo o ano passado. O colombiano marcou nas três últimas partidas e contra o Linense, além de ajudar no ataque, mostrou novamente disposição para marcar.

"Estou melhorando, ainda posso dar mais. Sei das minhas condições, sei que posso dar mais. Quero ganhar títulos, quero fazer história no Palmeiras e vou seguir trabalhando para isso", disse Borja. Com um gol em cada tempo, o atacante da seleção colombiana assumiu a artilharia do Campeonato Paulista ao lado de Bruno Moraes, do Botafogo, ambos com cinco tentos.

Tímido nas entrevistas, o colombiano desabafou. "Muita gente no Brasil fala demais. Mas sei que agora me sinto melhor, tudo diferente do que foi em 2017. Fiz a pré-temporada com o Palmeiras e agora tenho cinco gols", afirmou. Borja ainda agradeceu a chegada do técnico Roger Machado. "Ele é muito importante. Deus pôs ele na minha vida. Sei que posso dar mais", comentou.

No ano passado o jogador passou parte da temporada no banco de reservas durante o comando de Cuca. O então treinador apostava em Deyverson como titular e deixou Borja fora, por exemplo, da partida decisiva contra o Barcelona, do Equador, pelas oitavas de final da Copa Libertadores. A reação do colombiano iniciou em outubro, quando o interino Alberto Valentim assumiu e deu mais chances para ele.

"O Miguel (Borja) está começando o ano com o pé direito. No último jogo, em que ele também foi decisivo fazendo gol. A confiança dele está voltando", elogiou o treinador após a partida. "Para mim, ele foi um dos destaques da partida. Tem sido decisivo para nós", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.