Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Borja completa cem jogos pelo Palmeiras em baixa e com jejum de gols

Atacante colombiano atinge marca enquanto perde espaço no time titular para o concorrente direto, Deyverson

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 de maio de 2019 | 04h30

O atacante colombiano Miguel Borja, do Palmeiras, atingiu na última quarta-feira a marca de cem partidas pelo clube, mas não tem muito mais feitos para comemorar. O jogador vive um dos piores momentos no clube, ao ter um longo jejum de gols e pouca sequência como titular justamente às vésperas da convocação da Colômbia para a disputa da Copa América.

Titular na partida do time na quarta, contra o San Lorenzo, Borja não foi bem e aos 15 minutos do segundo tempo deixou o campo para dar lugar a Arthur Cabral. A participação no jogo encerrou um período de 46 dias sem entrar em campo. Antes da partida pela Libertadores, o colombiano havia atuado somente na ida das quartas de final do Campeonato Paulista, conta o Novorizontino.

A distância da formação titular se deve primeiramente à escolha do técnico Luiz Felipe Scolari por Deyverson, assim como uma lesão sofrida por Borja. No entanto, o jejum de gols também ajuda a explicar a perda de espaço. O atacante não balança as redes desde o fim de fevereiro, quando o Palmeiras bateu o Ituano por 3 a 2 pelo Campeonato Paulista. Já são mais de 70 dias sem marcar.

Contratado pelo Palmeiras em 2017 por R$ 33 milhões, Borja viveu no ano da sua chegada um dos períodos mais complicados da carreira. O jogador marcou dez gols em 43 jogos, uma média de 0,23 por partida. Curiosamente, é exatamente o mesmo índice da temporada atual, em que o jogador anotou três vezes em 13 participações pelo clube no ano.

Em 2018 o jogador evoluiu e mostrou mais adaptação ao futebol brasileiro, ao marcar 20 vezes em 44 jogos. Borja ainda foi artilheiro do Campeonato Paulista e da Copa Libertadores, assim como foi convocado para defender a seleção colombiana na Copa do Mundo da Rússia e em amistosos internacionais.

A diretoria do Palmeiras recebeu inclusive sondagens pelo jogador nos últimos anos. Contatos vindos do México, Estados Unidos e Europa chegaram à mesa do presidente do clube, Mauricio Galiotte. Mesmo quando essas oportunidades de negócio foram em momentos de má fase do colombiano, a decisão foi por dar prestígio ao jogador e acreditar no potencial dele.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasBorja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.