Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Borja e Deyverson voltam a treinar no Palmeiras e podem jogar domingo

Atacantes são opções para a partida diante do Ceará, pelo Campeonato Brasileiro, no Pacaembu

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 20h18

A presença dos atacantes Deyverson e Borja no gramado da Academia de Futebol foi a principal novidade do Palmeiras no treinamento desta quinta-feira. Depois de estarem ausentes das últimas atividades, os dois atacantes voltaram às atividades e estão à disposição do técnico Luiz Felipe Scolari para o jogo diante do Ceará, domingo, no Pacaembu, pelo Brasileirão

Deyverson voltou a treinar com o grupo depois de dois dias de atividades de recuperação na parte interna do Centro de Treinamento. Ele foi o destaque da vitória sobre o Grêmio com dois gols na vitória por 2 a 0, no domingo. Borja estava ausente do clube desde a semana passada foi estava participando de amistosos com a seleção colombiana. Diante dos Estados Unidos, ele fez um gol e ajudou sua equipe a vencer por 4 a 2, de virada.

Deyverson é o artilheiro de Felipão, à frente de Dudu e Lucas Lima têm quatro gols cada. Todos os seus sete gols foram feitos com o novo treinador. Por outro lado, ele continua mostrando os traços que o fizeram ser suspenso das três competições que o Palmeiras disputava (Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Libertadores). Diante do Grêmio, ele chutou a bola após apito do árbitro e simulou faltas.

Borja é o artilheiro da atual edição da Libertadores, dividindo o posto com o também colombiano Wilson Morelo, do Santa Fe. Um dos gols do colombiano foi anotado exatamente diante do Boca Juniors, na Argentina, na vitória por 2 a 0 na fase de grupos. “Deus me deu benção e talento. Estamos passando por um bom momento, tenho nove gols e vamos ver o que acontece nas próximas partidas”, disse o camisa 9 ao jornal As. 

Em 35 jogos, Borja fez 19 gols. Isso significa uma média de 0,54 gols por jogo. Já Deyverson atuou em 30 jogos, anotando sete gols, o que dá um aproveitamento de 0,23. Portanto, o colombiano tem um aproveitamento duas vezes maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.