Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Borja se diz aliviado com o gol e comenta sobre possível saída do Palmeiras

Atacante colombiano lamenta que tem recebido poucas oportunidades, mas comemora atuação contra o Bahia

Redação, O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2019 | 11h25

O atacante Miguel Borja, do Palmeiras, comemorou neste domingo ter voltado a marcar um gol depois de quatro meses. O colombiano anotou no empate por 1 a 1 com o Bahia, em Salvador, pelo Campeonato Brasileiro, e manifestou estar em situação indefinida no clube, já que tem atuado pouco nesta temporada e foi envolvido recentemente em uma desavença pública entre o seu empresário, Juan Pablo Pachón, e o treinador Mano Menezes.

"Estou trabalhando. Não sei o que acontece na diretoria, com o professor. Só fico trabalhando. Sei das minhas condições. O Palmeiras está muito bem. Se eles acham que tenho que sair, vou sair sem problema nenhum", comentou Borja após a partida. O colombiano tem sido preterido nas escalações do time nos últimos compromissos por Luiz Adriano e Deyverson.

O gol contra o Bahia foi o primeiro de Borja neste Brasileiro. Ao todo ele tem 24 partidas e seis gols na temporada. "Eu precisava voltar a marcar, a sentir que sou importante. Quero agradecer aos meus companheiros, que estão me apoiando, me ajudando a fazer gols", disse o atacante. "Muitas vezes, o estilo de jogo da equipe não me ajuda muito, mas sei que tenho que me encaixar", explicou.

Semanas atrás um comentário de Mano irritou o empresário de Borja. O técnico havia dito à ESPN Brasil que o jogador talvez não merecesse a reputação de estrela que adquiriu na carreira ao se destacar em 2016. Em resposta, o agente do colombiano divulgou uma nota com críticas ao treinador. "Espero que este comunicado ajude ao professor Mano Menezes a conhecer mais a fundo o seu jogador", escreveu.

Logo depois, o atacante disse à imprensa colombiana que estava insatisfeito no clube. Para amenizar o conflito, Borja e Mano conversaram. "Eu falei com Mano, ele me fala que o estilo de jogo do Palmeiras não ajuda muito meu estilo. Fico trabalhando para tratar de melhorar, de encaixar um pouco mais no jogo do Palmeiras. Se tiver que sair, fico muito tranquilo e sei que daqui vou sair melhor do que quando cheguei", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.