Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Borja vai voltar a atuar na posição que o consagrou na Colômbia

Borja foi artilheiro do Campeonato Colombiano 2016 com 19 gols em 22 jogos

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2017 | 07h00

Depois de encerrar o jejum de quatro meses sem marcar, o atacante colombiano Miguel Borja deverá ter uma nova chance como titular do Palmeiras na partida deste domingo, diante do Grêmio, em Porto Alegre. E na posição que mais o agrada:  como centroavante, a referência dentro da área. Com a contusão de Willian, que ficará fora três semanas por causa de um edema muscular na coxa direita, o colombiano deverá ser escalado em seu lugar, para jogar dentro da área. 

'Tirei um peso dos ombros', diz Borja após marcar diante da Ponte

Após a partida de quinta-feira, Borja afirmou, em uma rara entrevista, que um dos problemas que vem enfrentando para se adaptar ao futebol brasileiro se refere ao posicionamento. 

"Na Colômbia, era totalmente diferente. Aqui a concorrência é maior. Lá, no Cortuluá e no Atlético Nacional, se jogava muito por dentro, aqui se joga mais pelos lados. Estou trabalhando com o treinador e com os companheiros para que o jogo seja mais centralizado e eu possa ter mais opções de gol", explicou o colombiano, que pediu ao técnico Alberto Valentim para jogar centralizado.

Na quinta-feira, Borja fez apenas seu oitavo gol na temporada, o quarto no Campeonato Brasileiro. Com Cuca, ele teve poucas chances como titular. Agora, espera iniciar uma sequência. 

"Esse é o meu jogo. Por isso vim ao Palmeiras. Todos os gols que fiz na Colômbia foram por dentro, contra o São Paulo (na Libertadores do ano passado, pelo Atlético Nacional) fiz por dentro. Mas também tenho que me adaptar ao time, estar atento aos cruzamentos. Mas, como falei, estou trabalhando para melhorar isso", disse o colombiano. 

Mais conteúdo sobre:
Borja Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.