Fábio Castro/Divulgação
Fábio Castro/Divulgação

Botafogo admite negociar jogadores para sanar dívidas

Com o fechamento do Engenhão, clube carioca entrou em situação financeira ainda mais crítica

AE, Agência Estado

12 de junho de 2013 | 19h44

RIO - O recesso no Campeonato Brasileiro permite à diretoria do Botafogo buscar soluções para a crise financeira. O clube, que já havia estourado o orçamento nas contratações desde o ano passado para conquistar títulos, entrou em situação ainda mais crítica com o fechamento do Engenhão. Os jogadores estão com um mês de salários em atraso. A solução pode ser a venda de destaques do time.

"Além de um ganho financeiro, existe uma certa economia quando você deixa de ter o encargo salarial do jogador. Temos que analisar no aspecto financeiro e no aspecto técnico também", declarou o vice de futebol alvinegro, Chico Fonseca, à Fox Sports. O dirigente admitiu que dificilmente o Botafogo vai conseguir equilibrar as contas este ano, com seu estádio interditado, e será sempre um desafio manter a folha de pagamento em dia.

A saída de Fellype Gabriel seria uma solução de momento. O meia tem proposta dos Emirados Árabes, de mais de R$ 7 milhões, mas o Botafogo só ficará com metade desse valor, referente à sua fatia nos direitos econômicos do atleta.

Representantes de Fellype, de 27 anos, e dirigentes botafoguenses se reuniram para tratar da oferta. O jogador está interessado e os alvinegros não têm muito a fazer, já que o montante equivale a multa rescisória. Uma definição sairá nos próximos dias. O jovem zagueiro Dória também já foi abordado com uma proposta de R$ 20 milhões, mas à época os cartolas de General Severiano rejeitaram a investida.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.