Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Botafogo anuncia que vai pedir anulação do jogo contra o Palmeiras

Alvinegro alega que o VAR foi usado de maneira irregular em pênalti marcado para o adversário sábado

Redação, Estadão Conteúdo

26 de maio de 2019 | 23h10

O Botafogo garante que vai pedir a anulação do jogo do último sábado contra o Palmeiras, em que foi derrotado por 1 a 0, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. O clube alega erro de direito na marcação do pênalti que originou o gol do zagueiro paraguaio Gustavo Gómez, pois a partida já havia sido reiniciada quando o árbitro de vídeo (VAR) entrou em ação. A decisão de recorrer aos tribunais foi anunciada na noite deste domingo, por meio do Twitter oficial do clube alvinegro carioca.

"O Botafogo pedirá a anulação do jogo com o Palmeiras. O VAR foi usado indevidamente, pois a partida havia sido reiniciada. Logo, não poderia ser alterada a decisão do árbitro (regra 5 da FIFA e protocolo 8.12 do VAR). A decisão tomada foi um erro de direito, não um erro de fato", justificou o Botafogo.

A regulamentação do VAR deixa claro que uma partida não pode ser invalidade em quatro situações do uso da arbitragem de vídeo. Uma delas diz respeito à "revisão de uma situação/decisão não passível de revisão". Neste caso, o jogo não seria anulado, em princípio, mesmo com a decisão tomada depois de a bola ter rolado novamente após o lance.


O confuso lance aconteceu na etapa final da partida no estádio Mané Garrincha. Em uma disputa de bola na área entre Deyverson e o goleiro paraguaio Gatito Fernández, o árbitro paranaense Paulo Roberto Alves Junior, inicialmente, considerou que o atacante do Palmeiras caiu para simular uma falta e deu a ele o cartão amarelo.

Mas depois, com o alerta do VAR, foi constatado que Deyverson caiu porque foi atingido pelo zagueiro Gabriel. Ele marcou o pênalti, mas agora o Botafogo alega que o jogo já havia recomeçado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.