Botafogo consegue virada incrível e derrota América-MG por 4 a 2 no Rio

Vitória no Engenhão deixa a equipe do Rio de Janeiro no G-4 do Campeonato Brasileiro

AE, Agência Estado

13 de agosto de 2011 | 23h15

RIO - O Botafogo tem se notabilizado neste Campeonato Brasileiro pela incapacidade de manter-se em bom ritmo, engrenar uma sequência de vitórias. Quando parece que vai arrancar para o topo, engasga, principalmente contra equipes pouco cotadas. Na noite deste sábado, no Engenhão, foi assim por 75 minutos. O lanterna América-MG chegou a abrir 2 a 0 antes dos 10 minutos e segurou a pressão até os 30 do segundo tempo, quando sofreu a virada. Assim, o time carioca acabou vencendo por 4 a 2.

O atacante Alex deixou a reserva para decidir a parada com dois gols, os últimos da vitória por 4 a 2, que leva o Botafogo aos 28 pontos no Brasileirão. Subiu, portanto, para o quarto lugar, posição que pode perder já neste domingo para Palmeiras ou Vasco, que se enfrentam no Rio. O América-MG, por sua vez, segue na lanterna, com apenas 11 pontos em 16 jogos.

O lanterninha não esperou muito para aprontar, no primeiro encontro entre os dois clubes no Campeonato Brasileiro desde o dia 1º de agosto de 2001. Mal os jogadores tinham se postado em campo, gol de Alessandro em lance absurdamente tolo da defesa do Botafogo. Em cobrança de lateral, a zaga botafoguense parou, o volante Marcelo Mattos desviou mal, a bola tocou na trave e voltou na cabeça do atacante do América-MG.

O susto não bastou para acordar o time da casa. Ainda em estado catatônico, os botafoguenses tontearam na boa troca de passes entre Rodriguinho e Kempes, que culminou com bonita finalização de Rodriguinho. Assim, com apenas nove minutos de jogo, o América-MG já vencia por 2 a 0 no Engenhão.

Em grande desvantagem, o Botafogo resolveu que era hora de se impor e foi para o ataque. Loco Abreu teve duas ótimas chances, mas parou em Neneca. O goleiro do América-MG, no entanto, nada poderia fazer no chute de Elkeson aos 32 minutos. Foi uma autêntica bomba da intermediária, que entrou no ângulo, dando ânimo para o time carioca buscar a reação.

O jogo, claro, ganhou emoção. Os botafoguenses foram com tudo para cima no segundo tempo, apesar dos erros na saída de bola prejudicarem os avanços e impedirem uma pressão mais efetiva. O empate saiu na bola parada. No escanteio aos 17 minutos, o zagueiro Antônio Carlos usou a cabeça para fazer o gol de número 50 na sua carreira.

O desafogo, então, veio do banco de reservas. Alex, que entrara mais cedo no lugar do gripado Herrera, fez bela jogada individual e chutou forte, rasteiro. Neneca aceitou, aos 31 minutos, e o Botafogo virou para 3 a 2. E a vitória foi sacramentada aos 33. Cidinho driblou William Rocha e foi ao chão. O árbitro André Luiz de Freitas Castro marcou o duvidoso pênalti. Alex cobrou e fez seu segundo gol na partida, definindo o resultado.

BOTAFOGO - 4 - Jefferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Cortês; Marcelo Mattos, Renato, Elkeson e Maicosuel (Cidinho); Herrera (Alex) e Loco Abreu (Felipe Menezes). Técnico - Caio Júnior

AMÉRICA-MG - 2 - Neneca; Otávio (Eliandro), William Rocha e Gabriel Santos; Marcos Rocha, Dudu, Amaral, Gilson e Rodriguinho; Alessandro (Fábio Júnior) e Kempes (Netinho). Técnico - Givanildo Oliveira

Gols - Alessandro, aos 2, Rodriguinho, aos 9, e Elkeson, aos 32 minutos do primeiro tempo; Antônio Carlos, aos 17, e Alex, aos 30 e 33 (pênalti) minutos do segundo tempo; Árbitro - André Luiz de Freitas Castro (GO); Cartão amarelo - Elkeson, Renato, Amaral e Otávio; Local - Estádio Engenhão, no Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.