Botafogo conta com sorte e é campeão da Taça Guanabara no confronto direto

De forma improvável, as costas de Paulo Victor e Ricardo Berna deram o título da Taça Guanabara ao Botafogo. Nesta quarta-feira, no Engenhão, o time alvinegro contou com um gol de sorte para vencer o Macaé, por 1 a 0, e se igualar ao Flamengo na classificação geral do Carioca em número de pontos, vitórias, saldo de gols e gols marcados. Como o quinto critério é o confronto direto, deu Botafogo, que venceu o Fla graças às costas de Paulo Victor.

Estadão Conteúdo

09 Abril 2015 | 00h06

Os dois gols foram parecidos. Aquele que garantiu a vitória do Botafogo sobre o Flamengo, por 1 a 0, dia 1º de março, no Maracanã, saiu dos pés de Tomás. A bola bateu na trave direita, nas costas de Paulo Victor, e entrou. Nesta quarta, quem marcou foi Elvis, que acertou o pau esquerdo do gol de Ricardo Berna. Para azar do goleiro da Macaé, a bola voltou nas suas costas e entrou.

Como o Flamengo só empatou em 0 a 0 com o Nova Iguaçu, nesta quarta-feira, chegou aos 36 pontos. O Botafogo, com a vitória, também foi a 36. Os dois times ficaram com 22 gols de saldo e marcaram 31 gols. Campanhas idênticas, não fosse a sorte do Botafogo.

Na semifinal do Campeonato Carioca, a equipe alvinegra vai enfrentar o Fluminense. Flamengo e Vasco jogam na outra chave por uma vaga na final. O Madureira terminou em quinto, com 30 pontos, contra 26 do Macaé, sexto colocado.

O JOGO - O confronto entre dois rivais que vão se enfrentar também na Série B do Brasileirão foi de baixo nível técnico, especialmente no primeiro tempo. Depois de 15 minutos mornos, o Macaé assustou pela primeira vez com chute de longe de Fernando Santos. Renan caiu para fazer a defesa. Quando Henrique tentou fazer o mesmo, recuou para Ricardo Berna.

De forma geral, o Macaé foi melhor que o Botafogo no primeiro tempo. Mas foi a equipe alvinegra que foi para o intervalo na frente, num lance de quatro erros do Macaé.

O capitão Filipe Machado tentou dar um chutão e foi travado por Henrique. O atacante correu até a linha de fundo e cruzou. Max cortou mal, Dos Santos errou na proteção e Elvis chutou da entrada da área. A bola bateu na trave, voltou nas costas do goleiro Ricardo Berna e entrou.

Na segunda etapa, o Macaé se soltou mais e o jogo melhorou bastante, porque ficou mais aberto. Logo aos 5 minutos, após falta batida da esquerda, William Arão acertou o travessão. Dezesseis minutos depois, foi a vez de Aloísio, em chute de longe, também ir no travessão, desta vez da outra baliza.

Cada time ainda teve pelo menos duas chances de marcar no segundo tempo, mas Renan, Ricardo Berna e a falta de pontaria dos atacantes garantiram a permanência do placar em 1 a 0. O goleiro do Botafogo, aliás, defendeu falta no ângulo aos 48 minutos.

FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO 1 X 0 MACAÉ

BOTAFOGO - Renan; Luis Ricardo (Gilberto), Renan Fonseca, Alisson e Thiago Carleto; Diego Giaretta, Willian Arão, Fernandes e Elvis; Henrique (Bill) e Jobson (Sassá). Técnico - René Simões.

MACAÉ - Ricardo Berna; Max, Brinner, Filipe Machado e Diego Corrêa; Dos Santos (Éberson), Juninho, Aloísio e Fernando Santos (Marquinho); Pipico e Giancarlo. Técnico - Marcelo Cabo.

GOL - Elvis, aos 38 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Philip Georg Bennett.

CARTÕES AMARELOS - Brinner, Filipe Machado e Pipico (Macaé).

RENDA - R$ 41.945.

PÚBLICO - 2.724 pagantes.

LOCAL - Engenhão, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.