Botafogo derrota a Luverdense e retorna à Série A do Brasileiro

Botafogo derrota a Luverdense e retorna à Série A do Brasileiro

Ronaldo marca o único gol dos cariocas; Neilton perde pênalti

THIAGO RABELO, ESPECIAL PARA A AE, Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2015 | 23h41

O drama do Botafogo na Série B do Campeonato Brasileiro durou 35 rodadas. Rebaixado no ano passado, o time alvinegro cumpriu a sua missão e garantiu o retorno à elite do futebol nacional nesta terça-feira ao vencer a Luverdense por 1 a 0, no estádio Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde (MT). Com 68 pontos e na liderança da competição, a equipe abriu 11 de diferença para o quinto colocado, o Sampaio Corrêa, e não poderá mais ser ultrapassado.

Garantido o acesso, o objetivo é o título. Com mais três jogos pela frente, o Botafogo tem cinco pontos de vantagem para o vice-líder América-MG, adversário na última rodada. O próximo confronto do time carioca é o Santa Cruz, neste sábado, no estádio Engenhão, no Rio. Sem objetivos na competição, a Luverdense está em 10.º lugar, com 51 pontos.

Os jogos que começaram mais cedo beneficiaram o Botafogo, que poderia até empatar para subir. Essa tranquilidade gerou um início de jogo morno, sem grandes tentativas. A primeira só surgiu aos 21 minutos, com Neilton. Somente no fim da etapa inicial é que o confronto ganhou emoção. Primeiro com Luis Ricardo, em tentativa frustrada. Aos 41, o gol. Daniel Carvalho passou para Ronaldo dividir com o zagueiro e completar para o gol para fazer 1 a 0.

A vantagem deu alívio, mas também trouxe problemas. Foram duas chances para a Luverdense empatar no primeiro tempo. Alipio acertou uma bela bicicleta e viu a bola explodir no travessão. Logo depois, Tozin cabeceou livre, mas errou o alvo.

Após os dois sustos no fim do primeiro tempo, o técnico Ricardo Gomes reorganizou a equipe, que voltou disposta a segurar a vitória. Melhor em campo até então, Daniel Carvalho sentiu o desgaste físico e foi substituído. A saída do meia fragilizou o time, que passou a ter dificuldades em ter a posse de bola.

Mesmo sem fazer um bom segundo tempo, o Botafogo ainda teve a chance de ampliar o marcador. Aos 48 minutos, Neilton invadiu a área e foi derrubado por Edson. O próprio atacante foi para a cobrança e desperdiçou. Porém, a falha em nada atrapalhou a noite da torcida alvinegra, que finalmente pôde comemorar o acesso para a Série A.

FICHA TÉCNICA

LUVERDENSE 0 x 1 BOTAFOGO

LUVERDENSE - Edson; Raul Prata, Luiz Otávio, Everton e Paulinho; Muralha, Osman (Calyson) e Alípio; Adriano da Matta (Assuério), Lucas Fernandes e Tozin. Técnico: Júnior Rocha.

BOTAFOGO - Helton Leite; Luis Ricardo, Renan Fonseca, Roger Carvalho e Carleto (Diego Giaretta); Rodrigo Lindoso, Willian Arão, Camacho (Fernandes) e Daniel Carvalho (Diego Jardel); Neilton e Ronaldo. Técnico: Ricardo Gomes.

GOL - Ronaldo, aos 42 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Edson, Luiz Otávio, Adriano da Matta e Tozin (Luverdense); Renan Fonseca e Rodrigo Lindoso (Botafogo).

ÁRBITRO - Raphael Claus (Fifa/SP).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde (MT).

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BLuverdenseBotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Acesso do Botafogo na Série B é uma vitória de Ricardo Gomes

Treinador ficou quase 4 anos fora do futebol após um AVC

THIAGO WAGNER, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2015 | 23h49

Com o acesso, o treinador do Botafogo receberia um destaque lógico pelo trabalho realizado. No entanto, esse destaque ganha contornos especiais pelo fato de o comandante alvinegro ser Ricardo Gomes. Afastado do futebol por quase quatro anos depois de um AVC sofrido em pleno gramado, o técnico voltou ao futebol não só para ajudar o clube na Série B do Campeonato Brasileiro, mas para provar que ainda pode exercer a sua profissão. Acabou que o acesso botafoguense foi também uma conquista pessoal para Ricardo.

Já na chegada, o treinador teve de mostrar que estava totalmente recuperado. Perguntado sobre as sequelas, garantiu que estava liberado para o trabalho. "Eu recuperei 100% a parte física e motora e vocês vão perceber alguma pequena sequela. Estou liberado e muito bem de saúde. A minha preocupação é fazer o Botafogo voltar para o lugar de onde nunca deveria ter saído. Quero ajudar essa turma boa a levantar o Botafogo. Essa é a minha felicidade", disse na apresentação no clube.

Na Série B, a estreia foi contra o Bahia, fora de casa. O empate em 1 a 1 pode não ter sido a estreia dos sonhos de Ricardo Gomes, mas pelo menos não foi uma derrota contra um adversário direto pelo acesso. O novo técnico demorou para engrenar no comando alvinegro. Nos primeiros oito jogos, apenas duas vitórias, o suficiente para gerar todo tipo de desconfiança sobre o trabalho e sua recuperação.

A "virada" veio a partir de setembro. Foi o momento em que o Botafogo viveu seu melhor momento na Série B. Foram 14 jogos com 11 vitórias, dois empates e apenas uma derrota. O aproveitamento do técnico foi de pouco mais de 82% no período, bem acima dos concorrentes anteriores, uma prova definitiva que Ricardo Gomes estava recuperado para o futebol.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BBotafogoRicardo Gomes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Da defesa ao ataque, Botafogo foi destaque na Série B do Brasileiro

Jefferson e Navarro lideraram a equipe no acesso

THIAGO WAGNER, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2015 | 23h45

Pela presença na seleção brasileira e por não ter deixado o clube após a queda para a Série B do Campeonato Brasileiro, o goleiro Jefferson é a melhor representação do acesso do Botafogo. Liderados pelo arqueiro de 32 anos, o clube carioca conseguiu manter uma defesa difícil de ser batida. No entanto, Jefferson não carregou o time nas contas. Contou com outros companheiros que também se destacaram bem com a camisa alvinegra.

Um deles foi outro responsável pelo bom momento da defesa. Com 35 jogos na competição, o zagueiro Renan Fonsenca foi o ponto de segurança não só da retaguarda, mas também do time como um todo. O defensor foi o botafoguense que mais jogou na Série B, presente em todas as rodadas do campeonato.

Na criação, Willian Arão e Daniel Carvalho apareceram bem. O volante mostrou seu lado artilheiro e acabou marcando quatro gols na campanha. Arão ainda foi o líder de desarmes da equipe na Série B, segundo o Footstats. Já Daniel encontrou a sua redenção com a camisa carioca depois de aproximadamente dois anos sem atuar profissionalmente. O meia esteve presente em praticamente toda a campanha alvinegra e tornou-se fundamental para o acesso com assistências importantes para os companheiros.

No ataque, o destaque vai para o uruguaio Álvaro Navarro, que marcou nove gols, sendo o artilheiro do Botafogo. Entre os gols mais importante na campanha, está aquele feito contra o Vitória, em Salvador. O clube carioca acabou vencendo o confronto por 2 a 1. Navarro ainda foi destaque por marcar três gols na goleada por 4 a 0 sobre o Atlético Goianiense, em setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BBotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Botafogo volta à Série A com antecedência e sem grandes sustos

Botafogo pode garantir o título na próxima rodada

THIAGO WAGNER, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2015 | 23h45

O Botafogo está de volta à elite do futebol nacional. O clube da Estrela Solitária garantiu o acesso para a Série A do ano que vem ao bater o Luverdense nesta terça-feira, no Mato Grosso. Com 68 pontos e 20 vitórias, os alvinegros não podem mais ser alcançados pelo quinto colocado. A subida com três rodadas de antecedência é fruto de uma campanha que só não foi mais tranquila por causa da troca de técnico no meio da competição - René Simões cedeu lugar a Ricardo Gomes. A mudança, porém, trouxe fôlego necessário para os botafoguenses alcançarem o objetivo.

A estreia da caminhada alvinegra na Série B foi como o seu desfecho, longe do torcedor carioca. No dia 9 de maio, o Botafogo encarou o Paysandu em pleno estádio Mangueirão, em Belém, no Pará. O público de quase 20 mil pessoas poderia assustar os cariocas logo no primeiro jogo, mas não foi o caso. Os visitantes souberam controlar o ímpeto do adversário para sair com a vitória de 1 a 0. Rodrigo Pimpão foi o herói da partida ao marcar o gol da vitória.

Começar com o pé direito trouxe boas energias para o Botafogo, que arrancou com oito jogos invictos, sendo seis vitórias nesse período. A derrota só veio diante do Macaé, fora de casa, na nona rodada. Mesmo demorado para ocorrer, o mau resultado desequilibrou os cariocas na competição. Foi o momento mais instável do Botafogo na Série B. Nos 12 jogos seguintes, o time de General Severiano venceu quatro apenas, perdendo a gordura acumulada no início.

A queda de rendimento gerou desconfiança no torcedor, mesmo com a equipe não saindo do G4. Quem pagou o pato foi o René Simões, que caiu no meio desta sequência para a entrada de Ricardo Gomes, que não treinava um time de futebol desde o Acidente Vascular Cerebral (AVC) que teve quando ainda comandava o Vasco, em 28 de agosto de 2011.

Apesar de não ter começado da forma que a diretoria imaginava, Ricardo Gomes conseguiu devolver o Botafogo ao caminho das vitórias. Tanto que nos últimos 14 jogos, a equipe só perdeu um, para o Ceará, em casa. Fora isso, foram 11 vitórias, incluindo a desta terça-feira, e apenas dois empates. Uma arrancada fundamental para o acesso tranquilo dos cariocas.

Além do acesso antecipado, o Botafogo pode fazer outra festa se for campeão da Série B, um título que seria reflexo dos números que a equipe acumula até agora na competição. Até a 35ª rodada do campeonato, é o time que mais venceu, 20 vezes, o que menos perdeu, seis derrotas, o que possui o melhor ataque, 58 gols, e o que tem a melhor defesa, 25 gols sofridos.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BBotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.