Botafogo deixa comemoração de lado e pensa na Copa do Brasil

Técnico Cuca quebra a cabeça para encontrar substitutos para os jogadores machucados e suspensos

Redação,

21 de abril de 2008 | 18h34

Comemorar sim, mas sem excessos. Foi assim a segunda-feira do Botafogo, que conquistou no domingo, sobre o Fluminense, o bicampeonato da Taça Rio - segundo turno do Campeonato Carioca. A festa pelo título não se estendeu tanto por duas razões: o técnico Cuca se vê às voltas com importantes baixas no time alvinegro e o grupo já volta suas atenções para o duelo decisivo de quarta-feira à tarde, contra a Portuguesa, no Engenhão, pela Copa do Brasil. O Botafogo precisa de um empate sem gols ou vitória simples para avançar de fase no torneio que dá ao campeão vaga na Copa Libertadores de 2009. Na partida de ida, no Canindé, houve empate por 1 a 1. Diante de mais uma decisão, o técnico terá de ‘queimar a cuca’ para escalar a equipe contra a Portuguesa. A razão? O goleiro Castillo e o lateral-esquerdo Triguinho, machucados, estão fora.Se não bastasse isso, é quase certo que eles desfalquem o Botafogo no primeiro jogo da final do Carioca, domingo, contra o Flamengo, no Maracanã. Vale lembrar que, nesse mesmo duelo, o lateral-direito Alessandro e o atacante Jorge Henrique não vão enfrentar o time rubro-negro.Eles foram expulsos contra o Fluminense, na final da Taça Rio, e vão cumprir suspensão automática. "Acho muito difícil jogar no domingo [contra o Flamengo]", disse o goleiro Castillo, que foi de muletas à festa do título por conta de dores musculares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.