Botafogo derrota Flamengo, mas segue na zona de rebaixamento

Botafogo derrota Flamengo, mas segue na zona de rebaixamento

Contra reservas da equipe de Luxemburgo, alvinegros aproveitam para encher os cofres com renda bruta de R$ 4.118.040 em Manaus

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2014 | 23h01

O Botafogo tem muito a comemorar na noite deste sábado. Em campo, venceu os reservas do Flamengo por 2 a 1 em clássico disputado em Manaus. Nos cofres, graças principal à torcida rival, que lotou a Arena da Amazônia, uma renda bruta de R$ 4.118.040, que devem servir para desafogar as dívidas com funcionários e jogadores. O valor é equivalente a 50% de tudo que o clube havia arrecadado com ingressos no Brasileirão até aqui.

A vitória não tira o Botafogo da zona de rebaixamento, mas alça a equipe ao 17.º lugar, com 33 pontos, apenas um atrás do Vitória, o primeiro time fora da degola. Na próxima rodada, no domingo dia 2 de novembro, o rival é o líder Cruzeiro, no Mineirão.

Já o Flamengo pensa na Copa do Brasil, motivo pelo qual sete titulares foram poupados - Eduardo da Silva entrou no segundo tempo e fez gol. A equipe tem pela frente o Atlético-MG, quarta, pela semi. Depois, no domingo, pelo Brasileiro, joga contra a Chapecoense. As duas partidas acontecem no Maracanã. Com 40 pontos, o Fla segue no 11.º lugar.

O JOGO

Com a lista de desfalques cada vez maior, Vagner Mancini teve que se virar com o que tinha à disposição: Régis Souza na direita, Rodrigo Souto na zaga e o garoto Andreazzi como volante titular. Carlos Alberto entrou no lugar de Jobson, agora reserva. No Flamengo, além dos sete titulares que nem viajaram, Luxemburgo também resolveu poupar Eduardo da Silva.

Desentrosado, o Flamengo viu o Botafogo controlar a posse de bola no início e apostou nos contra-ataques com Nixon, único atacante do time. O time rubro-negro chegou a balançar as redes de Jefferson com Mugni, mas o argentino estava impedido e o bandeirinha percebeu bem. Seria um golaço de Mugni, que encobriu o goleiro com um toque de letra.

Um dos únicos titulares escalados por Luxemburgo, Paulo Victor fez boa defesa em chute de Carlos Alberto, aos 25, após boa jogada individual do meia. Aos 33, não houve o que o goleiro pudesse fazer impedir o gol de Rogério, após tabela entre Wallyson e Bolatti.

Luxemburgo queria a vitória e, aos 10 minutos do segundo tempo, queimou a terceira substituição, colocando três atacantes: Eduardo da Silva, Igor Sartori e Elton. No contra-ataque, porém, o Botafogo fez o segundo, aos 21. Golaço de Wallyson, que limpou a jogada na entrada da área e colocou no ângulo.

O jogo, a partir daí, virou um ataque contra defesa. Pressionando, o Flamengo descontou aos 29. Anderson Pico arriscou de longe a acertou a trave. Na volta, Eduardo da Silva empurrou para o gol vazio.

Ainda havia mais de 20 minutos (foram seis de acréscimo) para o Flamengo tentar o empate. O Botafogo, porém, se fechou com 11 jogadores no campo de defesa. Aos 47, Jefferson pegou chute de Elton à queima-roupa garantiu a vitória, fundamental na briga contra o rebaixamento. Festa da torcida alvinegra e decepção dos flamenguistas, que não viam a equipe em Manaus desde 2006.

FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO 2 X 1 FLAMENGO

BOTAFOGO - Jefferson; Régis Souza, Rodrigo Souto, André Bahia e Junior Cesar; Andreazzi (Dankler), Gabriel, Bolatti e Carlos Alberto (Ramírez); Rogério (Jobson) e Wallyson. Técnico - Vagner Mancini.

FLAMENGO - Paulo Vitor; Léo, Marcelo, Samir e Anderson Pico; Amaral, Muralha, Luiz Antonio (Elton), Lucas Mugni (Igor Sartori) e Gabriel; Nixon (Eduardo da Silva). Técnico - Vanderlei Luxemburgo.

GOLS - Rogério, aos 33 minutos do primeiro tempo. Wallyson, aos 21, e Eduardo da Silva, aos 29 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG).

CARTÕES AMARELOS - Jefferson e André Bahia (Botafogo); Léo (Flamengo).

RENDA - 39.561 pagantes (42.391 pessoas).

PÚBLICO - R$ 4.118.040,00.

LOCAL - Arena da Amazônia, em Manaus (AM).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoFlamengoBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.