Botafogo é campeão da Taça Rio e vai decidir título

Time alvinegro consegue vencer o Fluminense por 1 a 0 e agora enfrentará o Flamengo na final do Estadual

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2008 | 18h27

O zagueiro Renato Silva nunca mais se esquecerá do dia 20 de abril de 2008. Ele foi o herói do Botafogo na conquista do bicampeonato da Taça Rio: fez o gol da vitória da equipe alvinegra sobre o Fluminense, por 1 a 0, neste domingo, em um Maracanã lotado. De quebra, garantiu o time de General Severiano nos dois jogos decisivos do Estadual do Rio, contra o Flamengo, nos dois próximos domingos. "O gol representou tudo. Foi muito importante para mim. Não sei nem o que falar", desabafou Renato Silva, de 24 anos, cujo feito soou como vingança ao Fluminense. Em 2007, flagrado no exame antidoping por uso de maconha, saiu pelas portas do fundo do clube das Laranjeiras. Foi dispensado e, sem emprego, cumpriu punição de 120 dias longe dos gramados. O técnico Cuca, com quem havia trabalho no Flamengo, o indicou para reforçar o Botafogo no ano passado. Renato Silva chegou a General Severiano e não caiu nas graças da torcida, que o vaiava bastante. Sentiu o golpe. Perdeu a confiança até para fazer a jogada mais simples. Procurou uma psicóloga, teve o apoio de Cuca e não desistiu. Durante o Campeonato Carioca, recebeu proposta do São Paulo e de um time do exterior. Optou por continuar com o treinador que lhe estendeu as mãos num momento tão complicado. Não se arrependeu. Deixou ontem o Maracanã como um ídolo e com a alma lavada. "Agradeço as minhas avós (Amélia e Maria), a mãe Ione, a namorada (Vanessa) e ao Cuca pela força", declarou, emocionado.  Fluminense 0Fernando Henrique; Gabriel    , Luiz Alberto    , Thiago Silva e Junior Cesar; Ygor (Tartá), Arouca, Conca     e Thiago Neves    ; Cícero     e Washington. Técnico: Renato Gaúcho.  Botafogo 1Castillo; Alessandro    , Renato Silva, André Luis     e Triguinho (Túlio Souza); Túlio (Leandro Guerreiro), Diguinho, Lúcio Flávio     e Zé Carlos (Fábio); Jorge Henrique     e Wellington Paulista    . Técnico: CucaGol: Renato Silva, aos 39 minutos do segundo tempo. Árbitro: William de Souza Nery. Renda: R$ 1.388.730,05.Público: 64.785 pagantes.Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).Renato Silva estava iluminado. Aos 39 minutos do segundo tempo, o Botafogo tinha um homem a menos - Alessandro havia sido expulso -, mas a estrela solitária brilhou intensamente. O defensor escorou cruzamento do atacante Fábio e enterrou o Fluminense, que perdeu os três duelos deste ano para o rival alvinegro. "Foi uma vitória heróica, conquistada na base do coração, com muita vontade e dedicação. Enfrentamos um time de muita qualidade. Digo até que é um dos mais fortes do Brasil", afirmou o meia Lúcio Flávio. NERVOSISMOO Botafogo só precisa conter mais os nervos em decisões. Nos minutos finais, o atacante Jorge Henrique ‘perdeu a cabeça’: deu uma entrada dura no lateral-esquerdo Júnior César e foi corretamente expulso. Saiu de campo chorando. Não adiantou nada. Jorge Henrique está fora da primeira partida da final do Carioca, contra o Flamengo. "A expulsão não foi o que desejava", disse, sem explicar coisa alguma. Clube carioca que mais investiu em reforços, o Fluminense tem elenco para disputar título de qualquer competição. Mas ficou devendo. O atacante Washington ainda desperdiçou pênalti na etapa inicial. No Botafogo, quem faz a diferença é o conjunto. Dono da melhor campanha da Taça Rio, o Botafogo joga um futebol vistoso e dinâmico.  

Tudo o que sabemos sobre:
BotafogoFluminenseEstadual do Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.