Botafogo e Criciúma empatam e continuam entre os últimos

As duas equipes estão com 23 pontos na tabela de classificação e podem terminar a rodada entre os três últimos do Brasileirão

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

20 Setembro 2014 | 23h01

O Botafogo até conseguiu encerrar sua sequência de quatro derrotas, mas foi com um empate. Neste sábado à noite, o time carioca ficou no 1 a 1 com o Criciúma, em Santa Catarina, pela 23.ª rodada do Brasileirão. O resultado foi pior para os donos da casa, que jogaram melhor e criaram mais chances.

Em termos de tabela, a situação é ruim igual. Criciúma e Botafogo têm 23 pontos, com os catarinenses no 18.º lugar e o os cariocas em 15.º (Coritiba e Bahia também têm 23). No domingo, porém, jogam todos os demais rivais contra o rebaixamento.

Na quarta, o Criciúma vai até Porto Alegre para enfrentar o Internacional, às 19h30. Depois, no fim de semana, faz clássico contra a Chapecoense. O Botafogo joga duas seguidas em casa: Goiás (quinta) e Grêmio (domingo)

O JOGO

A lista de problemas do Botafogo estava ampliada pelas suspensões de Emerson, Julio Cesar, Ramirez, Bolívar e Gabriel. Carlos Alberto, cotado para jogar, nem foi a Santa Catarina. Por isso, Vagner Mancini armou o time com o que tinha e não teve vergonha de jogar fechadinho no primeiro tempo.

O Criciúma tinha mais posse de bola e ameaçava principalmente com Lucca, jogador que chegou a passar pelo Cruzeiro. Foi o meia-atacante quem mais levou perigo ao gol de Jefferson, chegando a colocar uma bola no travessão aos 27 minutos, de cabeça.

O goleiro da seleção, numa reposição de bola, permitiu ao Botafogo abrir o placar. Após um escanteio, ele lançou Wallyson, que recebeu na linha do meio-campo, ganhou na corrida do marcador e foi derrubado ao entrar na área depois de dois toques na bola. Pênalti, que Zeballos bateu.

Jefferson voltou a ir bem para pegar chute de Silvinho à queima-roupa, após passe de letra de Cléber Santana. Mas ele nada pôde fazer para evitar o gol de pênalti de Paulo Baier, aos 23 minutos. A falta foi feita por Sidney, que passou uma rasteira em Lucca ao tentar dar um chutão para isolar a bola na área.

Nos minutos finais, só o Criciúma buscou a vitória. Cortez, que hoje é banco da equipe, entrou bem no segundo tempo e puxou as melhores jogadas pela esquerda. Jefferson, porém, garantiu o empate.

FICHA TÉCNICA:

CRICIÚMA 1 X 1 BOTAFOGO

CRICIÚMA - Bruno; Luis Felipe, Gualberto (Paulo Baier), Fábio Ferreira e Giovanni (Cortez); Rodrigo Souza, João Vítor e Cleber Santana; Lucca (Maurinho), Zé Carlos e Silvinho. Técnico - Gilmar Dal Pozzo.

BOTAFOGO - Jefferson; Dankler, Matheus, André Bahia e Junior Cesar; Airton, Sidney (Fabinho), Bolatti e Zeballos (Rodrigo Souto); Rogério (Yuri Mamute) e Wallyson. Técnico - Vagner Mancini.

GOL - Zeballos, de pênalti, aos 36 minutos do primeiro tempo; Paulo Baier, de pênalti, aos 23 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Wilton Pereira Sampaio (Fifa/GO).

CARTÕES AMARELOS - Luis Felipe, Gualberto e Silvinho (Criciúma); Jefferson, Dankler, Sidney e Rogério (Botafogo)

RENDA - R$ 118.785,00.

PÚBLICO - 8.748 pessoas (total).

LOCAL - Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma (SC).

Mais conteúdo sobre:
futebol Botafogo Criciuma Brasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.