Botafogo e Flu surpresos com boicote

O presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), Eduardo Viana, assegurou nesta terça-feira que apóia a decisão de Flamengo e Vasco de não disputar o Torneio Rio-São Paulo. O Vasco não quer a competição com 16 clubes e o Flamengo quer receber mais dinheiro. "Ninguém vai assassinar o Campeonato Carioca", declarou o dirigente. Em seguida, ele disse que a competição estadual já tem data marcada para começar, em 19 de janeiro, a mesma prevista para o Rio-São Paulo.Eduardo Viana disse que a decisão firmada pelo Vasco, de não participar do Rio-São Paulo, é legal e foi acordada durante um Conselho Arbitral da Ferj, no mês de agosto. Segundo ele, os outros clubes do Rio também não vão seguir o calendário quadrienal divulgado pelo Ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira."Daquele grupo de notáveis, tinha o Pelé, que não é nada, o João Havelange, que não manda nada, e o Ministro, que não apita nada", afirmou Eduardo Viana. "Como eles e a TV Globo vão organizar calendário? Não têm competência."Depois de se reunir com o secretário-geral da CBF, Marco Antonio Teixeira, a quem expôs as razões pelas quais a Ferj decidiu-se por não dar apoio ao Rio-São Paulo, Eduardo Viana continuou esbravejando na saída do prédio da entidade. "De propósito, marquei o início do Carioca para o dia 19, data de estréia do Rio-São Paulo. Não ia deixar o Maracanã para eles."A exemplo dos presidentes de Vasco e Flamengo, Eduardo Viana foi citado no relatório da CPI do Futebol, no Senado, por "administração temerária" e frisou que a CBF não regulamentou o calendário quadrienal, atitude que o torna ilegal.O presidente do Fluminense, David Fischel, disse ter ficado surpreso com a atitude de Vasco e Flamengo e informou que vai esperar a reunião da Liga, nesta terça-feira, em São Paulo, para se pronunciar oficialmente.Apesar de o dirigente preferir o silêncio, o vice-presidente de futebol do Fluminense, Marcelo Penha, não escondeu sua indignação, revolta e temor com a decisão de Vasco e Flamengo. "O Fluminense repudia esta atitude e fica com a Liga. Esta cisão pode representar a falência do futebol carioca", afirmou. "O mais impressionante foi que eles assinaram um contrato e, agora, estão rasgando este papel."O presidente do Botafogo, Mauro Ney Palmeiro, também se mostrou surpreso, mas preferiu não dar opinião sobre o assunto. Ele disse que vai esperar pela reunião da Liga.Críticas - O presidente do Flamengo, Edmundo dos Santos Silva, não abre mão de receber uma cota mais alta para participar do Rio-São Paulo. "Sempre fui parceiro deles (referindo-se à TV Globo, empresários e políticos em geral) e os membros da CPI nos jogaram na mesma vala que os outros. Fomos tratados por diversos setores como não deveríamos. Agora, se o Flamengo não jogar vão ser obrigados a sentar na mesa e repensarem toda esta situação", avisou o dirigente. "Quero mais dinheiro ou não tem negócio. Se vou disputar um campeonato onde receberei até menos do que o Carioca, prefiro enfrentar e ganhar do Vasco, Fluminense e Botafogo, que deixarei a torcida rubro-negra mais contente, a um triunfo sobre o São Caetano e Botafogo-SP."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.