Botafogo e Vasco ficam no empate pelo Brasileirão

Técnicos colocaram equipes mistas em campo de olho numa possível final da Copa do Brasil

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2008 | 20h16

No duelo entre o time misto do Botafogo e os reservas do Vasco, neste domingo à noite, quem realmente perdeu foi o torcedor, que assistiu a um espetáculo de baixa qualidade. O clássico, que marcou a estréia do clube de São Januário no Engenhão, terminou empatado por 1 a 1. Veja também: Classificação Calendário / ResultadosCom o resultado, as duas equipes têm 4 pontos no Campeonato Brasileiro. Agora, Botafogo e Vasco voltam suas atenções para a Copa do Brasil. O time alvinegro enfrenta o Corinthians, quarta-feira, no Morumbi, e joga pelo empate para chegar à decisão do torneio que dá ao campeão vaga na Copa Libertadores de 2009. Já o time cruzmaltino, no mesmo dia, tem uma missão mais complicada. Precisa derrotar o Sport, em São Januário, por três gols de diferença para avançar de fase. O que mais se viu neste domingo, no Engenhão, foram erros de passes, muita marcação e pouca criatividade. Embora o panorama tenha sido desolador, o clássico até começou animado. Com menos de um minuto de bola rolando, o atacante Alex Teixeira cobrou escanteio, o lateral-esquerdo Valmir desviou e o zagueiro Eduardo Luiz, sozinho na pequena área, escorou para o gol vazio: 1 a 0 para o Vasco. A zaga alvinegra apenas assistiu ao lance, o que irritou o técnico Cuca. Botafogo1Renan; Alessandro, Renato Silva, Bruno Costa     e Zé Carlos (Alexsandro); Thiaguinho, Túlio (Lúcio Flávio), Diguinho e Abedi (Jorge Henrique); Carlos Alberto     e FábioTécnico: Cuca Vasco1Roberto; Eduardo Luiz, Luizão     e Vilson    ; Eduardo, Pablo    , Souza    , Alex Teixeira (Vitor) e Valmir (Bruno Gallo); Alan Kardec e Jean (Villanueva)Técnico: Antônio LopesGols: Eduardo Luiz, aos 50 segundos do primeiro tempo; Lúcio Flávio, aos 41 minutos do segundo tempoÁrbitro: Luis Antônio Silva Santos (FIFA/RJ)Renda: não disponívelPúblico: 14.677 pagantesEstádio: Pacaembu, em São Paulo, SPAté o intervalo, o Botafogo só chegou com perigo uma vez, num chute do atacante Fábio, após belo passe do meia Carlos Alberto. No mais, a equipe de General Severiano não conseguiu furar o forte bloqueio defensivo do rival, que adotou a tática de se fechar e explorar o contra-ataque.Exposta a este tipo de jogada, a zaga alvinegra apelou para a violência em certos momentos. O defensor Bruno Costa, por exemplo, deu uma entrada dura no atacante Jean no meio-campo e só foi punido com cartão amarelo pelo árbitro Luis Antônio Silva Santos. "O cara [Bruno Costa] me dá uma porrada e o juiz pede para eu levantar. Era para ele ter sido expulso", declarou Jean, indignado. "A minha canela está inchada. Se pega firme, teria quebrado a minha perna", reclamou, com toda razão.O Botafogo foi mais ofensivo na segundo tempo e acabou premiado. Na base da insistência, conseguiu o empate depois que o Vasco teve um jogador expulso - o volante Pablo - aos 28 minutos. Vilson puxou Fábio na área e o árbitro marcou pênalti. Lúcio Flávio cobrou com perfeição: 1 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.