Vitor Silva/SSPress
Vitor Silva/SSPress

Botafogo ganha mais uma com facilidade e mantém invencibilidade

É a terceira vitória seguida dos comandados de René Simões, que nestas partidas marcaram 10 gols e não sofreram nenhum

GABRIEL MELLONI, Estadão Conteúdo

18 de fevereiro de 2015 | 19h01

O Botafogo deu sequência ao seu bom início de temporada e manteve a invencibilidade no Campeonato Carioca. Nesta quarta-feira, a equipe não teve qualquer dificuldade para derrotar o Friburguense por 3 a 0, mesmo atuando no Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo. Foi a terceira vitória seguida dos comandados de René Simões, que nestas partidas marcaram 10 gols e não sofreram nenhum.

O resultado ainda deu a liderança provisória da tabela ao Botafogo, com 13 pontos, mas Fluminense e Vasco ainda atuam esta noite e podem ultrapassar a equipe. No sábado, os alvinegros duelam com o Nova Iguaçu, no Engenhão. O Friburguense, por sua vez, parou nos sete pontos, caiu para a sétima posição, e duela com a Cabofriense no domingo, no Correão.

O Botafogo começou bem nesta quarta, embalado, e demorou somente seis minutos para abrir o placar. A defesa do Friburguense errou no meio de campo, Tomas foi esperto e lançou rapidamente para Jobson. De primeira, o atacante encontrou Bill, que nem dominou tão bem, mas ainda assim mostrou calma para dar um belo toque sobre o goleiro. Foi o quarto gol do atacante, vice-artilheiro do Carioca, atrás apenas de Fred, que tem cinco.

Mas o Friburguense não se encolheu com o gol, decidiu atacar e teve bom momento aos 14, quando Ziquinha foi lançado nas costas de Carleto, mas isolou. A resposta do Botafogo aconteceu na sequência. Gilberto recebeu pela direita, fez boa jogada e rolou no pé de Tomas, que bateu mal. O jogo se tornou equilibrado e o último bom momento do primeiro tempo foi do Friburguense. Jorge Luiz bateu falta de bem longe, mas com extrema categoria, no ângulo direito de Jefferson, que voou para espalmar.

O Friburguense voltou melhor para a etapa final, disposto a pressionar, e passou a ficar mais com a bola. O Botafogo era rápido no contra-ataque e teve dois momentos com Jobson, mas em ambos o atacante pegou mal na bola. Até que aos 12 minutos o time do interior finalmente chegou com perigo, Jorge Luiz ficou de frente para o gol, mas Jefferson bloqueou o chute e impediu o empate.

O desperdício custaria caro, porque dois minutos depois o Botafogo chegaria ao segundo gol. Gilberto avançou pela direita e rolou para Bill, que cruzou de primeira. Jobson, em posição irregular, tocou para a rede. A arbitragem relutou, o auxiliar não correu para o meio, mas no fim o gol foi confirmado.

Levar o segundo gol quando ameaçava crescer na partida acabou com a disposição do Friburguense, que já não encontrava forças para buscar a reação. Com o jogo tranquilo, René Simões passou a fazer alguns testes, deu novas chances a Gegê e Sassá e descansou Fernandes e Jobson. As alterações também diminuíram o ritmo do Botafogo, mas ainda houve tempo para mais um. Aos 34, Gegê recebeu cruzamento da direita e, sozinho, desviou de cabeça para a rede.

FICHA TÉCNICA

FRIBURGUENSE 0 x 3 BOTAFOGO

FRIBURGUENSE - Marcos; Sérgio Gomes, Cadão, Bidu e Felipe; Zé Victor (Lucas), Damião, Rômulo (Tufy) e Jorge Luiz; Ziquinha e Thales (Lohan).

Técnico: Gérson Andreotti.

BOTAFOGO - Jefferson; Gilberto, Roger Carvalho, Renan Fonseca e Carleto; Marcelo Mattos, Willian Arão, Fernandes (Gegê) e Tomas; Jobson (Sassá) e Bill (Murilo).

Técnico: René Simões.

GOLS - Bill, aos seis minutos do primeiro tempo. Jobson, aos 15, e Gegê, aos 34 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Maurício Machado Coelho Junior.

CARTÕES AMARELOS - Zé Victor, Bidu (Friburguense); Fernandes, Bill (Botafogo).

RENDA - R$ 117.840,00.

PÚBLICO - 3.831 pagantes (4.180 presentes).

LOCAL - Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.