Divulgação
Divulgação

Botafogo passa fácil pelo Friburguense em Moça Bonita pelo Carioca

Time garante vitória por 3 a 1 sem sustos com gols de Bolívar, Fellype Gabriel e Vitinho

LEONARDO MAIA, Agência Estado

10 de abril de 2013 | 18h25

RIO - Depois de dois jogos de ausência, Seedorf voltou ao meio de campo do Botafogo na tarde desta quarta, para a partida contra o Friburguense, adiada da terceira rodada da Taça Rio. Mas a presença do craque holandês era um luxo que o time alvinegro sequer necessitou. Os botafoguenses venceram por 3 a 1, apesar de queda de ritmo no segundo tempo, e mantiveram a campanha perfeita no returno do Campeonato Carioca.

Com o resultado, garantiram classificação para as semifinais e estão bem encaminhados para lutar pelo título antecipado. Se conquistar também a Taça Rio, o Botafogo se sagra campeão estadual sem a necessidade de dois jogos finais.

"Foi um resultado bom. Estou feliz porque acabou essa história e posso me preocupar em jogar futebol", disse Seedorf, em referência a sua absolvição por uma expulsão contra o Madureira.

No domingo, o Botafogo volta a campo contra o Nova Iguaçu, que luta pela outra vaga do Grupo A com o Volta Redonda. O Friburguense também tem chance, remotas, de ficar com o posto. No sábado, recebe o Madureira em Nova Friburgo.

Sem forçar muito, o Botafogo construiu sua boa vantagem na primeira etapa. Com a calma e confiança de uma equipe já garantida na possível final do Estadual e virtualmente classificada para as semifinais do returno, Seedorf e seus companheiros conduziram o jogo como quiseram. Aceleravam o ritmo quando convinha, pisavam no freio para poupar energias quando necessário.

Aos 14, Lodeiro cruzou da direita, o goleiro Adilson espalmou mal e Bolívar, na marca do pênalti, acertou o ângulo. Sem pressa, a vantagem foi ampliada aos 31. O zagueiro Diego Guerra recuou sem olhar a seu redor e Fellype Gabriel agradeceu. Driblou o goleiro e tocou para o gol vazio.

A tranquilidade se transformou em relaxamento e sonolência. Com isso, o Friburguense passou a dominar as ações e iniciou uma pressão, rondando perigosamente a área botafoguense. Lohan perdeu, frente a frente com o Jefferson, a oportunidade de diminuir a desvantagem.

Ao perceber a queda de rendimento de sua equipe, o técnico Oswaldo de Oliveira lançou mão de velocidade e dinamismo. Colocou Vitinho em campo e deixou o garoto gastar sua interminável energia.

E o jovem atacante fez o técnico ficar bem na fita. Quando a pressão dos jogadores tricolores era grande, com direito a bola na trave de Jorge Luiz, Vitinho evitou qualquer possibilidade de reação. Aos 35, ele recebeu na entrada na área e deslocou o goleiro com categoria.

O terceiro gol foi providencial. Cinco minutos depois, Marcelo recebeu pela direita e chutou forte. Jefferson tocou na bola, mas não evitou o tento do Friburguense.

Mas a fatura estava liquidada e o jogo não passou de um ótimo treino para Seedorf recuperar ritmo e o time ganhar ainda mais confiança para tentar o título estadual antecipado.

FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO 3 x 1 FRIBURGUENSE

BOTAFOGO - Jefferson; Edilson, Bolívar, Dória e Júlio César; Marcelo Mattos, Gabriel, Fellype Gabriel (Vitinho), Seedorf e Lodeiro (Lucas); Rafael Marques (Renato). Técnico - Oswaldo de Oliveira.

FRIBURGUENSE - Adilson; Sérgio Gomes, Cadão, Diego Guerra e Flavinho; Bidu, Lucas, Marcelo e Jorge Luiz; Ziquinha (Lohan) e Rômulo. Técnico - Gerson Andreotti.

GOLS - Bolívar, aos 14, e Fellype Gabriel, aos 31 do primeiro tempo. Vitinho, aos 35, Marcelo, aos 40 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Rodrigo Nunes de Sá.

CARTÕES AMARELOS - Edílson, Bolívar, Dória, Marcelo Mattos (Botafogo). Rômulo (Friburguense).

RENDA - R$ 21.240,00.

PÚBLICO - 1.098 pagantes.

LOCAL - Estádio de Moça Bonita, no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoCampeonato Carioca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.