Botafogo perde para o Madureira, mas o jogo não vale nada

É que o time alvinegro já está garantido na primeira posição no Grupo B do primeiro turno do Estadual do Rio

O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2008 | 18h28

Já garantido na liderança do Grupo B, com 16 pontos, o Botafogo foi derrotado pelo Madureira, neste domingo, no Engenhão, por 2 a 1 e perdeu a invencibilidade no Campeonato Carioca. O time alvinegro (provavelmente) irá enfrentar o Fluminense nas semifinais da Taça Guanabara. A equipe do subúrbio, por sua vez, ficou em terceiro lugar, com 13 pontos e está eliminado. A decisão do técnico Cuca de levar time misto à campo começou a dar errado logo de cara. China fez boa jogada pela direita e cruzou para Amaral, que se antecipou à zaga e abriu o placar. O Botafogo seguiu com postura desinteressada, mas foi beneficiado por um erro da arbitragem. Aos 15 minutos, Fábio chutou forte e a bola explodiu no rosto de Paulo César, bantendo em sua mão em seguida. O zagueiro do Madureira caiu nocauteado e nem percebeu que o juiz Agnaldo Xavier Farias marcou a penalidade. Ainda atordoado, recebeu o cartão amarelo com incredulidade. Lúcio Flávio bateu com categoria e empatou.  BOTAFOGO1Castillo, Triguinho, Edson e Eduardo    ; Abedi (Escalada), Róbston (Índio), Lucio Flavio, Zé Carlos e Wellington Junior (Jougler); Fábio e Wellington Paulista     Técnico: Cuca MADUREIRA2Renan    ; China, Paulo César    , Odvan e Marcílio; Felipe Alves (Wagner), Doriva (Paulo Vitor), Éverton (Amarildo) e Amaral; Muriqui e DerleiTécnico: Carlos RobertoGols: Amaral, aos 5 minutos, Éverton, aos 30 minutos; Lúcio Flávio, aos 17 minutos do primeiro tempoÁrbitro: Agnaldo Xavier FariasPúblico e renda: Não disponíveisEstádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)Mesmo assim, o gol não serviu para despertar o Alvinegro, que tocava a bola com lentidão e errava passes por desconcentração. O Madureira buscava o jogo mas sem muita categoria. Um pouco de justiça, porém, foi feito quando Éverton cobrou bem falta na entrada da área, com chute forte no ângulo de Castillo, recolocando o time do subúrbio à frente. Mostrando que não estava se importando com o resultado, Cuca continou testando jogadore na segunda etapa, colando o argetino Escalada, Índio e Jougler em campo. As alterações, porém, não animara o Botafogo, que continou a jogar sem ímpeto, apesar de assustar, como em uma cabeçada de Wellington Paulista que bateu na trave. O Madureira, que precisava golear e contar com um empate entre Vasco e Cabofriense para avançar no torneio, provavelmente desanimou com a goleada vascaína e passou a administrar a vitória. Assim, a partida seguiu desinteressante até o apito final.

Tudo o que sabemos sobre:
BotafogoMadureiraEstadual do Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.