Satiro Sodre/Divulgação
Satiro Sodre/Divulgação

Botafogo promete atenção com jogadas pelas laterais na Libertadores

Treinador expôs a sua preocupação com as jogadas pelos lados do campo

Agência Estado

10 de março de 2014 | 15h17

RIO - Completamente concentrado na disputa da Copa Libertadores, o técnico Eduardo Hungaro comentou nesta segunda-feira, após o último treinamento antes da viagem para o Equador, sobre as características do Independiente del Valle, adversário de quarta-feira. Ao detalhar o estilo de jogo do adversário, o treinador do Botafogo expôs a sua preocupação com as jogadas pelos lados do campo.

"É uma equipe forte fisicamente, com ótimos resultados no campeonato local, com um quarteto ofensivo muito rápido, um homem de referência que segura bem a bola e é assessorado por um 10, que fica do lado dele ou vem por trás. Ainda tem dois homens muito rápidos, o do esquerdo é driblador. Como é uma equipe que joga em um 4-4-2 que vira 4-2-4, joga muito nas costas dos laterais, em um campo apertado", disse.

Preocupado com o desgaste físico provocado pelos aproximadamente 2.800 metros de altitude de Quito, local da partida, Hungaro ressaltou a importância do Botafogo errar poucos passes para não ceder contra-ataques ao adversários.

"Temos que errar menos na frente, para ter menos chance de a bola chegar aos volantes e ser lançada. Esperamos esse jogo mais direto, que é comum na altitude. É ter posse de bola bem feita, objetiva e dando poucas oportunidades de contra-ataque", afirmou.

O jogo de quarta-feira não será o primeiro do Botafogo em Quito nesta Libertadores, pois o time encarou o Deportivo Quito pela fase preliminar, sendo batido por 1 a 0. Hungaro avaliou que o time precisará ser mais ofensivo do que naquela oportunidade para conquistar um resultado melhor.

"Temos que ser mais contundentes, agressivos, criar mais oportunidades. O maior problema na altitude é a velocidade da bola, os jogadores custam a encontrar o momento do passe ou do chute. Naquele primeiro jogo, produzimos pouco na parte ofensiva. Temos que jogar o jogo pelo jogo, ter preocupações defensivas nas laterais, mas estar em cima e criar oportunidades, ser efetivo", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.