Botafogo quer aproveitar confusão

Sob a alegação de não dar declarações que pudessem ser usadas pelo Corinthians para motivar seus atletas à partida de domingo, os jogadores do Botafogo optaram por evitar comentários sobre o episódio da briga entre o zagueiro Marquinhos e o atacante Tevez, ambos da equipe paulista. O zagueiro e capitão da equipe alvinegra, Scheidt, foi o porta-voz do grupo e afirmou que o fato em São Paulo é um problema a ser resolvido pelo Corinthians. "A maneira de tirarmos proveito disso é não falar besteiras para vocês (jornalistas). O que aconteceu lá é um problema do Corinthians", frisou Scheidt. "Nós seguimos fazendo o nosso trabalho e estamos pronto para o confronto. A rivalidade já é grande entre as duas equipes e não precisamos motivá-la ainda mais." E o técnico do Botafogo, Paulo César Gusmão, além da vitória contra o Corinthians, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, impôs nesta sexta-feira outra obrigação a todos os seus jogadores: a de marcar. O treinador enfatizou que o time carioca não pode dar espaços ao adversário e somente assim conseguirá obter o segundo triunfo, além de permanecer invicto na competição."Não quero saber se é atacante, volante, zagueiro, meia, goleiro, tem que marcar. Quem não entrar com este espírito está fora do time", destacou Gusmão. Ele optou por escalar um meio-de-campo mais defensivo, com Túlio, Juca e Jonílson, que têm características de marcação, deixando somente Ramon como o responsável pela criação das jogadas."Não podemos de maneira alguma dar espaço para eles." E, por opção tática, Gusmão optou por repetir contra o Corinthians o mesmo time que estreou com vitória sobre o Internacional, em Porto Alegre. Até o treino desta sexta-feira, ele estava em dúvida entre Oziel e Gláuber para ocupar a lateral-esquerda, mas escolheu o primeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.