Botafogo vence Prudente e ainda sonha com Libertadores

Com o 3 a 1, time segue um ponto atrás do Grêmio, rival direto pela vaga na rodada final

AE, Agência Estado

28 de novembro de 2010 | 19h37

Para muitos, o Botafogo não fez mais do que a obrigação. Para o time alvinegro, a vitória sobre o já rebaixado Prudente, por 3 a 1, neste domingo, no Engenhão, merece ser comemorada. Afinal, a equipe carioca segue firme na luta por uma vaga na Copa Libertadores de 2011.

Veja também:

BRASILEIRÃO - tabela Classificação listaResultados

especial Simulador do Brasileirão

Na última rodada do Campeonato Brasileiro, no próximo domingo, o clube carioca fará um confronto direto com o Grêmio, no Olímpico, para terminar no G-4. Se vencer o rival gaúcho, o Botafogo ainda precisará torcer para o Goiás não ser campeão da Copa Sul-Americana para que o quarto lugar no Brasileirão garanta vaga na Libertadores.

O alerta do técnico Joel Santana foi exaustivo durante a semana. "O Prudente está rebaixado, mas olha o que aconteceu com o Palmeiras diante do Goiás, pela Sul-Americana? E o Santos, que perdeu para o Prudente em casa? Futebol é decidido em campo. Não interessa como o adversário vem, mas como nós vamos para cima dele".

O aviso surtiu efeito. O Botafogo praticamente resolveu o jogo ainda no primeiro tempo. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Antônio Carlos fez, de cabeça, 1 a 0 para o time carioca. Depois, quase no fim da primeira etapa, o meia-atacante Edno arriscou chute forte de fora da área e a bola entrou no canto direito do goleiro Sidney.

No segundo tempo, o Prudente diminuiu a vantagem alvinegra, com gol do atacante Willian José, mas não teve força nem futebol para empatar. E ainda sofreu o terceiro gol, com o lateral-esquerdo Marcelo Cordeiro, em cobrança de pênalti. 

BOTAFOGO - 3 - Jefferson; Fahel, Antônio Carlos e Márcio Rosário; Alessandro, Lucas Zen, Edno (Túlio Sousa), Lúcio Flávio (Renato Cajá) e Marcelo Cordeiro; Caio e Loco Abreu (Alex). Técnico: Joel Santana.

PRUDENTE - 1 - Sidney; Saldanha, Anderson Luís, Diego e Marcelo; Rodrigo Mancha, Anderson, Roberto (Renan) e Sérgio (Juan); Willian José e Rhayner (Willian Henrique). Técnico: Fábio Giuntini.

Gols - Antônio Carlos, aos 30, e Edno, aos 44 minutos do primeiro tempo. Willian José, aos 24, e Marcelo Cordeiro (pênalti), aos 45 minutos do segundo tempo; Cartões amarelos - Márcio Rosário (Botafogo); Marcelo (Prudente); Árbitro - André Luiz de Freitas Castro (GO); Renda - R$ 87.417,00; Público - 4.932 pagantes (6.147 no total); Local - Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.