Bradford supera falência e disputa final da Copa da Liga em Wembley

Depois de eliminar Wigan, Arsenal e Aston Villa, time faz final inédita contra o Swansea

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2013 | 09h18

SÃO PAULO - Um goleiro que teve câncer nos testículos e um atacante ex-repositor de supermercado estão entre os protagonistas da maior surpresa do futebol inglês desta temporada. O Bradford, da quarta divisão, decide neste domingo, 24, no estádio de Wembley contra o Swansea, da Premier League, o título da Copa da Liga (13 horas, na ESPN Brasil). Se vencer, o clube que quase foi à falência por duas vezes nos últimos onze anos vai dar ao mundo um verdadeiro exemplo de empreendedorismo. A diretoria gastou o equivalente a R$ 23 mil para montar o atual elenco e se o título vier, vai embolsar R$ 315 mil como premiação.

 

A equipe do norte da Inglaterra é a primeira da quarta divisão a chegar à final do torneio nos últimos 50 anos e trilhou o caminho com muito sofrimento. Dos seis adversários que derrotou, contra quatro precisou ir para a prorrogação e dois deles só venceu nos pênaltis. Na campanha eliminou ainda três times da Premier League - Wigan, Arsenal e Aston Villa.

 

"Nunca imaginei que chegaríamos à final. Antes seria até ridículo falar nisso", admitiu o atacante James Hanson, de 25 anos, figura conhecida dos torcedores por ter nascido na cidade e trabalhado em um supermercado local até 2009. Para o goleiro Matt Duke, de 35, a decisão tem sabor ainda mais especial. Ele teve câncer nos testículos em 2008, recuperou-se e agora divide a agenda entre treinos e participação em campanhas de conscientização sobre a doença.

 

Outro destaque é o treinador Phil Parkinson, um homem discreto e que prefere deixar os méritos com o elenco. "Temos que usar essa campanha como um começo de uma nova era e tentar fazer o Bradford continuar chamando a atenção por feitos positivos", disse.

 

Apesar da façanha, é possível que o técnico e boa parte dos jogadores não continuem na próxima temporada. A dura realidade financeira obrigou a diretoria a fazer contratos curtos e emergenciais em busca de quem estava sem emprego. A estratégia de montar essa 'colcha de retalhos' deu certo.

 

"A equipe teve muitas lesões na temporada, mas foi certeira ao integrar jogadores que vieram por empréstimo e trazer reforços pontuais", explicou o presidente da conselho oficial de torcedores, Alan Carling. Nem a participação na Liga Europa está confirmada em caso de título. O clube teme não ter como bancar viagens para o exterior.

 

 

REDENÇÃO

O Bradford escapou por pouco do rebaixamento para a quinta divisão nos dois últimos anos e tem chances remotas de subir nesta temporada, mas hoje luta pelo título no mais importante estádio da Inglaterra e com o apoio garantido de 32 mil torcedores, que esgotaram a cota de ingressos reservada ao clube. Nos preparativos para ver a final foi confeccionada uma gigantesca camisa do time, com 400 m², repleta de assinaturas e recados de boa sorte. Cerca de 200 ônibus devem viajar os 320 km até Londres para levar a torcida até a partida histórica.

 

A euforia é a resposta contra o acúmulo de fracassos esportivos e financeiros. O clube, fundado em 1903 para substituir um time que faliu, passou a maior parte desses 110 anos de história alternando entre as 3.ª e 4.ª divisões até chegar à Premier League, em 1999. Ficou duas temporadas entre os grandes, mas depois o declínio não parou mais. "A má administração resultou em três rebaixamentos em sete temporadas, caímos até a quarta divisão e passamos por dois processos de insolvência, um em 2002 e outro em 2004", contou o historiador John Dewhirst, autor de três livros sobre o Bradford.

 

 

Calejado em questões financeiras, o Bradford vai encerrar a temporada de forma curiosa. Os jogadores vão para Las Vegas nas férias. A viagem foi uma promessa feita pelo copresidente d clube, Mark Lawn, caso o time passasse pela semifinal. Resta saber se nos casinos americanos os atletas vão repetir nas roletas os milagres multiplicadores do clube que transformou tostões em milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.