Braga assume Fla e abre fogo contra CBF

O novo presidente do Flamengo, o advogado Márcio Braga, de 67 anos, já deixou claro em sua primeira entrevista, após a eleição de segunda-feira, como vai ser a relação do clube com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). "Vamos conversar, vai haver diálogo, mas acabou a promiscuidade do Flamengo com a CBF. Comigo vai ser diferente até porque nunca votei nessa gente", disse, referindo-se em especial ao presidente da entidade, Ricardo Teixeira. Ele pretende criar um ambiente favorável à formação de uma liga independente, que tenha poder sobre a organização de competições. E prometeu alçar o Flamengo a uma posição de liderança entre os clubes brasileiros.Braga foi eleito para uma mandato de três anos. É a quinta vez que chega à presidência do Flamengo. Agora, numa situação mais delicada - o clube tem dívida em torno de R$ 205 milhões e que aumenta a cada mês. O dirigente garantiu, no entanto, que o Flamengo saldará todos os compromissos. Sua primeira tarefa é agendar uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Nosso principal credor é o governo federal. Vamos tentar, na base da negociação, que não nos apertem tanto. Mas não vamos negar o que devemos e nem fazer propostas ilusórias. O Flamengo deve e vai pagar a todos", afirmou, sem, no entanto, dar detalhes de como isso seria possível.Ele disse que vai efetuar no clube uma revolução administrativa, criando um conselho gestor e dividindo responsabilidades e decisões.Braga já escolheu o ex-jogador Júnior para o cargo de diretor-técnico de Futebol e enfatizou que vai dar atenção prioritária ao esporte mais popular do País. "Cerca de 85% do nosso orçamento vem com recursos do futebol. Então, temos de voltar a disputar todos os títulos", declarou.Por uma previsão inicial, o Flamengo deve gastar com futebol em 2004 em torno de R$ 20 milhões. Braga sabe, porém, que não há como fazer grandes contratações. Por isso, o Flamengo deve recorrer às categorias de base para compor o elenco de 2004. O nome do novo treinador só deverá ser anunciado em janeiro.Entusiasmado com manifestação ruidosa de beneméritos e outros associados do clube, que lotaram o auditório do Flamengo para acompanhar a entrevista, Braga foi muito aplaudido ao assegurar que o Rubro-Negro, de 6 a 10 anos, vai figurar entre os cinco maiores clubes de futebol do mundo. Ele ainda criticou o diretor da Globo Esportes, Marcelo Campos Pinto, que defendera, na véspera, a elitização do futebol. "Onde mora este senhor? Em que Estado ele se esconde? Está completamente alienado. Ele quer cadeiras acolchoadas em estádios. Não tem condições intelectuais para falar do assunto." O presidente do Flamengo é a favor de um Campeonato Brasileiro com 16 clubes na Primeira Divisão e o mesmo número na Segunda. "O Flamengo não pode pagar para jogar no Maracanã. Se a competição mais importante do País for nesses moldes, vai ser a garantia de estádios cheios em todas as rodadas." De dirigentes de outros clubes, o primeiro a lhe desejar boa sorte, após o resultado do pleito, foi o ex-presidente do América do Rio e da CBF, Giulite Coutinho, outro opositor declarado de Ricardo Teixeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.