Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Branco não quis rever imagens na TV

A morte trágica de Serginho, do São Caetano, foi um golpe forte para muitos esportistas. No Rio, Flamengo e Fluminense lamentaram o episódio publicando notas em seus sites oficiais e em rodinhas de conversa entre os atletas, antes e depois do treinamento na Gávea e nas Laranjeiras. O diretor-técnico do Rubro-Negro, Júnior, abatido, nem quis comentar o assunto. No Vasco, o meia Petkovic resumiu o sentimento de seus colegas de clube. "Vencer o Coritiba foi importante, estamos amargurados pela morte do Serginho. Mas Deus sabe o que faz." No texto da nota oficial do Fluminense, assinada pelo presidente David Fischel, o clube manifestou sua dor pela tragédia. "Neste momento de luto que passa o futebol brasileiro, os dirigentes do clube prestam sua solidariedade a todos os profissionais que trabalham no A.D. São Caetano e se unem ao sofrimento da família de Serginho". Os jogadores do Tricolor também prestaram solidariedade, com uma oração ainda em Volta Redonda, onde o Fluminense enfrentou o Juventude, na quarta-feira. De passagem pelo Rio, onde enfrentou o Flamengo, a delegação do Santos também ficou muito abalada. De acordo com o preparador físico Antonio Mello, os atletas mão queriam acreditar no que viam, diante da televisão, já na madrugada de hoje. "Eu mesmo fiquei acordado até as 7 horas, só para acompanhar o noticário. Estamos todos muito tristes", disse. O coordenador das divisões de base da seleção, o ex-jogador Branco, contou que estava assistindo ao confronto quando Serginho caiu em campo. "Hoje nem quis ligar a TV para não ver as imagens novamente. Foi chocante, horrível", falou. Em visita à sede da CBF, para conversar com o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Armando Marques, o árbitro Leonardo Gaciba, que apitou o empate entre Santos e Flamengo, informou que os árbitros do Rio Grande do Sul, com o auxílio do Corpo de Bombeiros, participarão, em novembro, de um curso de primeiros socorros. Salientou, no entanto, que o evento já estava marcado antes da morte de Serginho. "Ninguém poderia esperar por isso. Foi impressionante, lamentável", disse Gaciba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.