Estadão
Estadão

Brasil aposta em ambiente família para triunfar na Copa do Mundo

Com parentes e amigos próximos, seleção confia que atletas renderão mais nos momentos decisivos

Ciro Campos, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 05h00

As primeiras horas da seleção brasileira na Rússia mostraram que o elenco vai aproveitar ao máximo uma novidade implantada para esta Copa. A ideia da comissão técnica de Tite de permitir a presença de familiares em Sochi hospedados próximos à concentração da equipe já começou a fazer sucesso com os jogadores logo no primeiro dia no país-sede e promete mudar bastante o ambiente do time durante a competição.

+ Brasil fará treino aberto para público formado na maioria por crianças

+ Roberto Carlos e Cafu colocam Brasil como 'franco favorito' para vencer a Copa

Pela primeira vez na história, os atletas brasileiros puderam levar para a Copa mulheres, filhos, pais e amigos. O intuito de Tite foi criar um ambiente mais descontraído e favorecer o relaxamento dos jogadores nas horas de folga, como nesta segunda-feira, e amenizar a distância de casa. A comissão técnica entende que, ao liberar a presença das pessoas mais íntimas e afrouxar o ambiente de isolamento e concentração, os atletas renderão mais quando forem exigidos.

A presença de familiares de jogadores durante torneios é comum em seleções europeias como Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. Em alguns casos, elenco e parentes ficavam até no mesmo hotel durante Copas ou Eurocopas. No Mundial de 2014, eram comum cenas dos jogadores em campo brincando com os filhos após os treinos ou caminhando até a primeira fileira de assentos nos estádios para abraçarem suas mulheres ao fim das partidas.

Ao todo, cerca de 120 familiares e amigos de jogadores da seleção virão a Sochi. Uma agência de viagens contratada pela CBF cuidou da logística de acomodação e recepção. Todos ficarão em um hotel de luxo com praia privativa localizado a cerca de 4 quilômetros de onde a seleção estará concentrada durante o Mundial.

 

A maior parte dos quartos tem vista para o Mar Negro. O hotel é de padrão internacional e possui a maior parte dos serviços e dos funcionários bilíngues, comodidade rara para os estrangeiros que visitam a Rússia. Alguns parentes comentaram a pessoas próximas que têm receio de sair pela cidade por possíveis problemas com o idioma russo.

Os primeiros familiares chegaram antes mesmo do desembarque da seleção na Rússia, na madrugada de segunda-feira, no horário local. A lista de convidados dos atletas ficará completa somente nesta terça-feira.

A “casa” deles fica no mesmo complexo hoteleiro onde a seleção da Polônia vai se hospedar durante a disputa da Copa do Mundo, em local nobre da cidade, próximo à Fan Fest montada pela Fifa e rodeado por árvores, praças e bons restaurantes.

Como revelou o Estado em maio, quem custeia a hospedagem dos familiares são os próprios jogadores. O valor aproximado do pacote é de R$ 100 mil por pessoa e inclui, além da estadia em Sochi, o transporte para aeroportos e voos para cada uma das cidades onde a seleção vai jogar na Rússia. A estreia será domingo, em Rostov. O valor não é considerado elevado para o padrão local, pois Sochi, por ser um balneário turístico, costuma ter preços mais altos nesta época do ano, de verão.

DESCONTRAÇÃO

A reportagem foi ao local nesta segunda-feira e presenciou jogadores da seleção em momentos de relaxamento com a família. O zagueiro Miranda e o atacante Roberto Firmino almoçaram com parentes no restaurante do hotel, que é aberto ao público e tem frutos do mar como especialidade.

Acompanhado dos dois filhos e da mulher, o defensor da Inter de Milão também aproveitou a tarde de sol e calor e foi à praia, separada do amplo saguão do hotel por apenas alguns lances de escadarias. Quem vai ao mar pode ser atendido pelo serviço de bar enquanto se banha nas águas calmas, frescas e sem muitas ondas do Mar Negro.

Antes de Miranda, Firmino almoçou com a mulher e depois saiu para passear. Os jogadores só precisaram se reapresentar ao hotel da seleção durante a noite, para o jantar. O primeiro treino estava previsto para começar às 4h (horário de Brasília), em atividade aberta ao público – a maioria crianças da rede de ensino público de Sochi.

O local onde estão os familiares dos jogadores teve movimentação tranquila durante o dia. Os atletas puderam aproveitar a folga de forma discreta. Em outras ocasiões, será a própria concentração da seleção que vai abrir as portas para receber os familiares. O resort escolhido pela CBF em Sochi tem espaços de convivência reservados para esses encontros. Até mesmo uma brinquedoteca para os filhos dos atletas foi montada no local.

A comissão técnica também não condena os jogadores de beberem cerveja ou vinho durante a folga, desde que em doses pequenas. A relação é de confiança. Tite considera que é necessário aproveitar o descanso de forma correta para render no trabalho.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.