Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Brasil atropela Itália, garante a ponta e classifica os EUA

Seleção vence por 3 a 0 e pegará a África do Sul, de Joel Santana, pelas semifinais da Copa das Confederações

André Rigue, estadao.com.br

21 de junho de 2009 | 17h21

SÃO PAULO - Um passeio. A seleção brasileira deu show neste domingo e derrotou a Itália, atual campeã mundial, por 3 a 0, em partida válida pela última rodada do Grupo B da Copa das Confederações. Além de garantir os 100% de aproveitamento e a liderança para o Brasil, o resultado eliminou os italianos e classificou os Estados Unidos.

 

Veja também:

link Seleção brasileira é roubada em hotel na África do Sul

linkPara jogadores, seleção 'cresce no momento certo'

linkCom dores, Juan deve desfalcar a seleção na semifinal

Copa das Confederações 2009 - tabela Classificação

Copa das Confederações 2009 - lista Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Nas semifinais, o Brasil enfrentará a África do Sul, de Joel Santana, na próxima quinta-feira, 25. Os norte-americanos, que derrotaram o Egito por 3 a 0 – avançaram pelo saldo de gols -, terão um confronto complicado diante da Espanha, na quarta-feira, 24. Os espanhóis também estão com 100% de aproveitamento e são os favoritos para fazer a final contra o Brasil.

A partida deste domingo foi especial para a seleção brasileira, que comemorou 39 anos da conquista do tricampeonato de 1970, no México. Na ocasião, a seleção de Pelé e companhia derrotou os italianos na final por 4 a 1 – e os festejos pela conquista do Mundial contagiaram a equipe comandada por Dunga.

 

 NÚMEROS DO CLÁSSICO

 14.º confronto

Esta foi a sétima vitória do Brasil em 71 anos da história do duelo. Os brasileiros ainda empataram dois e perderam outros cinco jogos

O Brasil entrou num ritmo eletrizante, enquanto os italianos demonstraram problemas no setor defensivo. Logo aos 5 minutos, Luis Fabiano deu lindo passe pela direita para Ramires. O volante soltou a bomba e acertou a trave de Buffon. O poste do goleiro italiano também balançou aos 32 minutos, em chute de Lúcio, que contou com desvio de De Rossi.

Apesar da superioridade, o Brasil só chegou ao gol aos 36 minutos. O lateral-direito Maicon matou a bola no peito, caminhou para a entrada da área e tocou rasteiro. Em grande fase, Luis Fabiano recebeu livre e bateu para o fundo das redes de Buffon – o gol do camisa 9 literalmente abriu a porteira dos italianos.

A Itália esperava fazer uma festa para Cannavaro, que se tornou o jogador que mais vestiu a camisa Azurra ao lado de Paolo Maldini (126 vezes). Porém, os italianos acabaram vítimas da ginga brasileira. Aos 42 minutos, Robinho fez linda jogada com Kaká, que mandou para a área. O jogador do Manchester City deixou a bola passar e Luis Fabiano não perdoou: 2 a 0.

 Itália0
Buffon; Zambrotta, Cannavaro, Chiellini     e Dossena    ; Pirlo, De Rossi, Montolivo (Pepe) e Camoranesi; Luca Toni (Gilardino) e Iaquinta (Rossi)
Técnico: Marcelo Lippi
 Brasil3
Júlio César; Maicon, Lúcio, Juan (Luisão) e André Santos; Gilberto Silva (Kléberson), Felipe Melo, Ramires (Josué) e Kaká; Robinho e Luís Fabiano
Técnico: Dunga
Gols: Luis Fabiano, aos 36, e aos 42, e Dossena (contra), aos 44 minutos do primeiro tempo

Árbitro: Benito Archundia (MEX)

Estádio: Loftus Versfeld, em Pretoria (África do Sul)

Uma pane se estabeleceu sobre os italianos, que ainda levaram mais um gol no primeiro tempo. Aos 44 minutos, Robinho partiu para a área e cruzou. O zagueiro Dossena deu um carrinho e mandou para o fundo do próprio gol. O semblante de desespero do rosto de Buffon foi o reflexo da Itália na partida.

O técnico Marcelo Lippi tentou dar um novo gás para a Itália no segundo tempo e fez mudanças no ataque. O domínio, no entanto, continuou com o Brasil, apesar de os brasileiros terem diminuído o ritmo. Aos 23 minutos, Kaká pegou o rebote de Robinho e soltou a bomba. A bola passou à direita de Buffon.

Com a classificação garantida, os brasileiros “cozinharam” o segundo tempo na espera do apito final. A Itália, no desespero e na necessidade de um gol para se classificar, fez o que pôde. Aos 30 minutos, Pepe perdeu grande chance após chute dentro da área e corte de Lúcio. Esse, aliás, foi o único lance de perigo da “melancólica” Azurra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.