Brasil ausente da Copa Sul-Americana

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) determinou nesta quinta-feira que vai mesmo realizar a primeira Copa Sul-Americana de Clubes sem a participação das equipes brasileiras. A disputa terá início no próximo dia 4 e irá até o dia 18 de dezembro. Vai substituir as Copas Mercosul e Merconorte, extintas pelas dificuldades econômicas da região, no calendário do segundo semestre. O campeão da Copa vai enfrentar o Olimpia do Paraguai, atual campeão da Libertadores, pela Recopa Sul-Americana. O secretário da Conmebol, o argentino Eduardo Deluca, disse que foi organizado tudo muito rápido graças ao apoio da cadeia de televisão TyT (Traffic do Brasil e Torneios e Competições da Argentina). A Copa Sul-Americana terá a participação de 20 equipes, exceto as brasileiras, que têm acordo com a Rede Globo. A lista de participantes por países ainda não está totalmente definida. Sabe-se que, pela Argentina, Boca Juniors, River Plate, Gimnasia la Plata e Racing vão se eliminar entre si. O último campeão da Copa Mercosul, o San Lorenzo, vai disputar vaga em ida e volta com um representante da Venezuela. Cerro Porteño e Libertad são os times do Paraguai. Pela fórmula de disputa, as equipes de cada país vão se eliminar entre si e os ganhadores passarão para a segunda fase, de acordo com a localização geográfica. Nesta, vão jogar com times de países vizinhos para baratear os custos de transporte. Na primeira fase, por cada partida jogada como anfitrião, os clubes vão receber US$ 50 mil. Na segunda fase, o valor vai variar entre US$ 100 mil e 150 mil. Na terceira fase a soma sobe para entre US$ 200 mil e 250 mil. Os valores ainda estão indefinidos porque dependem da negociação das cotas de transmissão de TV. O dirigente da Conmebol disse ainda que, apesar de todos os esforços, não foi possível organizar para este ano a realização da Copa Pan-Americana, que só deve acontecer em 2003.

Agencia Estado,

08 Agosto 2002 | 17h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.